EUA e China disputam o setor de telefonia móvel da África

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.

13 de maio de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

A África, nos últimos anos, tornou-se a nova fronteira onde a China e os Estados Unidos, as duas maiores superpotências econômicas do mundo, competem por influência em um setor-chave: as telecomunicações.

Esta semana, a Etiópia comemorou o lançamento de uma rede 5G alimentada pela gigante chinesa de telecomunicações Huawei em Adis Abeba.

Pouco antes disso, em visita ao continente na semana passada, a vice-secretária de Estado norte-americana Wendy Sherman visitou os escritórios da empresa de telefonia móvel norte-americana Africell em Angola, onde a empresa acumulou cerca de 2 milhões de usuários desde que foi lançada há pouco mais de um mês.

“Hoje em Luanda, visitei a @AfricellAo, uma empresa norte-americana inovadora e de última geração que expande o acesso 5G em Angola com componentes tecnológicos confiáveis”, escreveu ela em um tweet.

Questionado em uma coletiva de imprensa subsequente se o tweet não era uma provocação à Huawei – que já tem uma enorme presença digital na África, mas que foi sancionada nos EUA em 2019 pelo então presidente Donald Trump – Sherman foi inequívoco.

“Não se trata de jogar sombra (ser crítico) na Huawei. Temos sido muito diretos. Acreditamos que, quando os países escolhem a Huawei, estão potencialmente abrindo mão de sua soberania”, disse ela. “Eles estão entregando seus dados para outro país. Eles podem se ver trazendo uma capacidade de vigilância que eles nem sabiam que existia.”

Washington há muito expressa preocupação de que Pequim esteja tentando monopolizar as redes e possivelmente usá-las para espionagem, enquanto a Huawei nega repetidamente as alegações.

“Portanto, temos sido muito públicos sobre nossas preocupações com a Huawei e, portanto, estamos felizes que a Africell possa fornecer ao povo de Angola uma ferramenta segura e capaz em suas mãos para alcançar o mundo”, acrescentou Sherman.

Os comentários do vice-secretário provocaram ira em Pequim, onde foram recebidos com uma dura repreensão do porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Zhao Lijian.

“As empresas chinesas, incluindo a Huawei, conduziram uma cooperação mutuamente benéfica com muitos países da África e do mundo, contribuíram para a melhoria e desenvolvimento da infraestrutura de comunicações dos países, forneceram serviços avançados, de qualidade, seguros e acessíveis para a população local e obtiveram grande apoio. ”, disse ele na mídia estatal chinesa.

“Não há um único caso de acidente de segurança cibernética, vigilância ou escutas telefônicas no curso da cooperação”, acrescentou, alegando que os EUA há muito são responsáveis ​​por tais atividades de espionagem.

Zhao observou que cabe aos governos africanos decidir com quem cooperar.

Em Angola, a empresa já tem uma presença significativa, com a operadora móvel Unitel ligada à Huawei, que está também a construir no país dois centros de formação tecnológica, no valor de 60 milhões de dólares, para desenvolver a economia digital.

E com a Huawei amplamente disponível na África do Sul, apenas uma das cinco pessoas com quem a VOA conversou em um shopping center local estava ciente da controvérsia sobre a marca.

Cheris Fourie, consultora de vendas de uma loja de celulares no Blue Root Mall, na Cidade do Cabo, disse que os aparelhos da Huawei não são mais tão populares, não devido a preocupações com atividades nefastas da empresa, mas porque os serviços do Google não estão mais nos dispositivos. O Google não está mais disponível por causa de uma proibição da Huawei nos EUA.

David Devillieras, que estava sentado em um café no shopping usando seu telefone Samsung, disse que nunca ouviu falar da possibilidade de a Huawei estar envolvida em vigilância. Ele acrescentou que não compraria um telefone Huawei tendo ouvido isso.

“Eu não iria lá, nem por um segundo. Eu não compraria um telefone chinês”, disse ele.

Um comprador, Steve Elliot-Jones, disse que “não confiaria em nada que venha da China”, mas achou que outros países também poderiam estar usando redes móveis para espionar.

“Não me surpreenderia se as empresas de tecnologia, incluindo os estados ou qualquer outro lugar... Eu não diria que alguém é realmente inocente. Eu acho que eles provavelmente estão todos querendo vender informações e ganhar dinheiro ao lado e negá-lo se for divulgado.”

Fontes