EUA atacam Al-Shabab na Somália pela primeira vez em seis meses

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

21 de julho de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

Comandos somalis sob ataque do grupo terrorista al-Shabab receberam ajuda de cima, pela primeira vez em meses, na forma de um ataque aéreo dos Estados Unidos.

O Pentágono na terça-feira confirmou que as forças dos EUA estavam por trás do ataque único perto de Galkayo, cerca de 580 quilômetros ao norte da capital, Mogadíscio, que foi anunciado pela primeira vez por autoridades somalis no início do dia.

Um oficial do Pentágono disse que o ataque foi autorizado pelas autoridades existentes para defender as forças parceiras dos EUA e ocorreu mesmo que nenhum soldado dos EUA estivesse no terreno.

“As forças dos EUA estavam conduzindo uma missão remota de 'aconselhamento e assistência' em apoio às forças parceiras da Somália designadas”, disse a porta-voz do Departamento de Defesa dos EUA, Cindi King. “Não havia forças dos EUA acompanhando as forças somalis durante esta operação.”

O ataque aéreo de terça-feira contra o al-Shabab é o primeiro em seis meses e o primeiro realizado desde que o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, assumiu o cargo.

As autoridades norte-americanas não quiseram explicar por que esse ataque foi aprovado ou se o Comando dos EUA na África vai começar a conduzir uma campanha aérea mais intensa em apoio às forças somalis, como as que os EUA desdobraram em anos anteriores.

Os EUA realizaram 63 ataques aéreos contra o al-Shabab em 2019 e 53 ataques aéreos em 2020.

Outros sete ataques aéreos foram lançados nas primeiras duas semanas e meia de 2021, antes de o ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, deixar o cargo.

Autoridades americanas explicaram a desaceleração citando uma revisão do governo Biden sobre a política de ataques aéreos dos militares. Mesmo assim, gerou preocupação entre os altos funcionários somalis, fazendo com que alguns alertassem que a mudança permitiria que o al-Shabab "saísse do esconderijo".

Fontes

Compartilhe
essa notícia:
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit