EUA: “Não vamos negociar o fim das sanções” com Maduro

Fonte: Wikinotícias

10 de março de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Após a aprovação do TPS para os venezuelanos, a política da Casa Branca em relação à Venezuela estará focada em continuar uma estratégia de "apoio humanitário" e aumentar a "pressão multilateral" para que haja uma negociação de "boa fé" entre o governo de Nicolás Maduro e a oposição venezuelana.

O diretor de Assuntos do Hemisfério Ocidental do Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca, Juan González, disse à Voz da América que, apesar do reconhecimento de Juan Guaidó como presidente interino por Washington, "nosso foco não é um indivíduo, é o processo eleitoral", resultante de um diálogo entre as duas partes, mediado pelos Estados Unidos e seus aliados da região e pela União Europeia.

“Maduro e também Guaidó, vejo que erraram nas pesquisas. Acredito que a realidade é, minha leitura disso é que os venezuelanos estão fartos da situação atual, querem uma solução, querem uma solução, querem a restauração da democracia, eles querem que a ajuda humanitária entre", disse o assessor do presidente Biden.

62% dos venezuelanos não apoiam Maduro ou Guaidó, segundo pesquisa da Datanálisis, publicada em novembro de 2020.

O governo de Maduro estendeu publicamente vários convites para dialogar com a nova administração dos Estados Unidos . González destacou a resposta da Casa Branca: “não vamos dar legitimidade a Maduro nos reunindo com ele […] não vamos negociar com ele o fim das sanções”.

“A pressão aumentará até que o regime dê passos de boa fé que conduzam a um diálogo concreto. E aqui não somos burros, vimos que Maduro e, mesmo Chávez, usaram o diálogo como desculpa para marginalizar a oposição”, frisou O oficial.

González garantiu que já realizaram várias reuniões com Guaidó, nas quais o líder da oposição "trouxe uma coalizão bastante unida" que inclui representantes do setor privado e da sociedade civil.

Fontes