Doação de Taiwan reacende tensões na Nicarágua entre Igreja Católica e Governo Ortega

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.

27 de dezembro de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

O governo do presidente Daniel Ortega reagiu com raiva no domingo depois de saber que a sede diplomática onde Taiwan operava na Nicarágua foi doada à Arquidiocese de Manágua, conforme anunciado por monsenhor Carlos Aviles.

O governo de Daniel Ortega decidiu dias atrás desfazer os laços diplomáticos com Taiwan e iniciar relações com o governo da China.

De acordo com um comunicado emitido pela Procuradoria-Geral da República, o reconhecimento da China e a restauração das relações em 9 de dezembro "implica o registro imediato de todos os imóveis, equipamentos e meios a favor" do gigante asiático.

Da mesma forma, ele ressaltou que "de acordo com a legislação da Nicarágua" não há espaço para transações ou transferências e mencionou que evidencia uma suposta intenção de iniciar "ações judiciais" contra aqueles, que segundo ele, "insistem em alegações ilegítimas e ilegais".

O chefe da Arquidiocese de Manágua, Monsenhor Carlos Avilés confirmou à Voz da América a decisão de Taiwan e apenas os procedimentos legais da "doação do imóvel" seriam finalizados, no entanto, não se sabe se esse processo será insistido após a reação do governo, cujas relações com a Igreja se deterioraram desde a crise de 2018.

Tanto a missão diplomática de Taiwan na Nicarágua quanto a missão de Manágua em Taipei tinham um prazo de 23 de dezembro para fechar suas portas.

De acordo com a agência de notícias taiwanesa CNA, fontes diplomáticas teriam reclamado que o tempo de partida inicialmente estipulado por Ortega "era curto", então Taiwan respondeu com um prazo semelhante.

A doação de Taiwan vem em um dos piores momentos nas relações de Ortega com a Igreja, que ele às vezes chamou de "lobos rapaciosos" e "demônios em batinas". As autoridades católicas têm criticado Ortega repetidamente, a quem acusam duramente por "violar os direitos humanos na Nicarágua".

A arquidiocese de Manágua também foi impactada pela suspensão do apoio orçamentário concedido pela Nicarágua. Da mesma forma, vários próximos ao presidente Ortega pediram a prisão para os padres que mantêm sua posição contra Ortega.

O padre Edwin Román, um dos mais críticos do partido no poder, ressalta que as ameaças surgiram até mesmo do mesmo vice-presidente Rosario Murillo. "Desde 2018 temos visto ataques a templos, paroquianos e bispos. Em 2018, Ortega acusou a Conferência Episcopal de todo tipo de coisa, tudo o que é perseguição", disse o padre.

Fontes