Diplomata e escritor João Almino é eleito por unanimidade para a ABL

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

8 de março de 2017

O diplomata e escritor João Almino é o novo ocupante da cadeira 22 da Academia Brasileira de Letras (ABL), que estava vaga desde agosto do ano passado com o falecimento do médico e acadêmico Ivo Pitanguy. Almino foi eleito por unanimidade na tarde de hoje (8), com os votos de 23 acadêmicos presentes e de dez, por cartas, na disputa com outros cinco postulantes à cadeira, que teve como fundador Medeiros e Albuquerque e patrono José Bonifácio.

Nascido em 1950 em Mossoró (RN), o embaixador João Almino é autor de seis romances, bem recebidos pela crítica e com histórias ambientadas em Brasília. Entre eles, As Cinco Estações do Amor (2001), vencedor do prêmio Casa de las Américas de 2003, e Cidade Livre (2010), finalista dos prêmios Jabuti e Portugal Telecom. Escreveu ainda ensaios literários e parte de sua obra de ficção está traduzida para o inglês, francês, espanhol, italiano e outras línguas.

Mestre em sociologia pela Universidade de Brasília (UnB), João Almino é também autor de ensaios de filosofia política e de história. Os livros Os Democratas Autoritários (1980), Era uma Vez uma Constituinte (1985), A Idade do Presente (1985), O Segredo e a Informação (1986) e Naturezas Mortas (2004) são considerados referência para estudiosos da democracia e do autoritarismo.

O embaixador João Almino foi diretor do Instituto Rio Branco, a escola de formação dos diplomatas brasileiros. Além da UnB, lecionou na Universidade Nacional Autônoma do México (Unam) e nas universidades de Berkeley, Stanford e Chicago, nos Estados Unidos, e defendeu tese de doutorado em História Comparada das Civilizações Contemporâneas em 1980 pela École des Hautes Études en Sciences Sociales, de Paris, sob a direção do filósofo Claude Lefort.

Amanhã (9), a ABL elege mais um acadêmico, desta vez o ocupante da cadeira 37, vaga desde dezembro passado, com a morte do poeta Ferreira Gullar. Concorrem 12 candidatos, entre eles dois apontados como favoritos, o poeta e filósofo Antonio Cicero e o historiador Arno Wehling.

Fonte

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati