Dilma vistoria obras e visita túnel da Ferrovia Norte-Sul

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

15 de março de 2012

Anápolis, GO, Brasil — A Presidenta da República, Dilma Rousseff percorreu hoje (15), em um tipo de vagão chamado de auto de linha, usado para inspecionar trilhos, um trecho da Ferrovia Norte-Sul, na cidade de Anápolis, em vistoria às obras.

A viagem da presidenta começou com a vistoria ao túnel 2 da Ferrovia Norte-Sul, localizado no trecho entre Anápolis e Palmas (capital do Estado de Tocantins). Esse trecho tem 855 quilômetros de extensão e 95% das obras concluídos, com investimentos de R$ 2,92 bilhões.

Pouco depois, em Goianira, Dilma tem reunião de trabalho com os responsáveis pela obra, em canteiro do trecho que liga Ouro Verde (também em Goiás) a Estrela d'Oeste (interior do Estado de São Paulo). Com 680 quilômetros de extensão, 23% das obras desse trecho estão concluídos e a previsão de investimentos é R$ 2,7 bilhões até 2014. Os dados sobre os dois trechos da ferrovia são do Ministério dos Transportes.

O governador de Goiás, Marconi Perillo, acompanha a presidenta na visita às obras. Ao ter a confirmação da ida de Dilma ao estado, Perillo, que é do PSDB, partido de oposição ao governo, divulgou nota elogiando o “espírito republicano e a relação democrática que seu governo [da presidenta Dilma] mantém com todas as unidades federativas”. O governador disse que a Ferrovia Norte-Sul vai mudar o perfil econômico de Goiás, com melhoria na área da logística.

Visita[editar]

A Presidenta Dilma Rousseff percorreu hoje em um tipo de vagão chamado de auto de linha, usado para inspecionar trilhos, um trecho da Ferrovia Norte-Sul, na cidade de Anápolis, em vistoria às obras. A visita, que durou cerca de 20 minutos, também foi acompanhada pelo governador de Goiás, Marconi Perillo, e pelos ministros do Planejamento, Miriam Belchior, e dos Transportes, Paulo Sérgio Passos.

Por volta das 11h40, os integrantes da comitiva visitaram o túnel 2 da ferrovia e ouviram explicações dos engenheiros que trabalham na obra. De Anápolis, a presidenta seguiu de helicóptero para Goianira, onde tem uma reunião de trabalho com técnicos no canteiro de obras do lote 1 da Ferrovia Norte-Sul.

A ferrovia é uma das obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e, quando concluída, terá cerca de 3 mil quilômetros de extensão que farão a integração de regiões do país, reduzindo o custo do transporte de cargas e favorecendo o crescimento de projetos agropecuários e agroindustriais nesse eixo. O projeto da ferrovia é executado pela Valec (Engenharia, Construções e Ferrovias), empresa pública vinculada ao Ministério dos Transportes.

Após se reunir com empresários responsáveis pela construção de trechos da Ferrovia Norte-Sul, na cidade goiana de Goianira, a presidenta Dilma Rousseff disse que até 2014 o trecho entre Açailândia (oeste do Maranhão) e Estrela d’Oeste (noroeste de São Paulo), que tem a extensão de 2.225 quilômetros, estará concluído.

“Pretendemos até 2014 estar com ela [a ferrovia] funcionando com locomotivas e trens transportando cargas e pessoas de Estrela d'Oeste até Açailândia e deixaremos sempre os projetos para a continuidade dela até o Porto de Rio Grande, no Rio Grande do Sul”, disse Dilma, em entrevista a jornalistas.

A conversa com os empresários durou cerca de duas horas, e Dilma relatou que foi feita uma avaliação sobre o estágio das obras. Eles também são os representantes das empresas responsáveis pelos trechos que vão de Aguiarnópolis até Palmas (ambas em Tocantins), de Palmas a Anápolis e do que se estende de Anápolis a Estrela d’Oeste. Entre os empresários, estavam representantes de grandes empreiteiras como Camargo Corrêa, Odebrecht, Queiroz Galvão e Andrade Gutierrez.

A presidenta fez questão de destacar que essa não é uma visita política, mas uma visita de trabalho. “É uma visita de trabalho em que descobrimos o que está faltando, o que pode ser solucionado”, disse.

Histórico[editar]

É a primeira visita da presidenta Dilma Rousseff ao estado de Goiás desde que foi eleita em 2010. A Ferrovia Norte-Sul faz parte do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e, quando concluída, terá mais de 3 mil quilômetros de extensão que farão a integração de três regiões do país (Nordeste, Norte, Centro-Oeste e Sudeste), reduzindo o custo do transporte de cargas e favorecendo o crescimento de projetos agropecuários e agroindustriais nesse eixo. Em construção desde 1987, as obras da ferrovia foram interrompidas diversas vezes, desde condições da crise econômica brasileira (1987 a 1988 e 1991 a 1992), casos de corrupção de desvio de verbas, o que levaram a suspensão da ferrovia por quase uma década.

Fontes[editar]

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati