Dilma recebe cumprimentos de Marina e compara programas sociais com anteriores

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

7 de outubro de 2014

Brasil

Candidata à reeleição, Dilma Rousseff (PT) disse hoje (6) que recebeu telefonema de Marina Silva (PSB), com quem disputou o primeiro turno das eleições nesse domingo (5), cumprimentando-a pelo resultado que a levou ao segundo turno com o candidato Aécio Neves (PSDB). Segundo a presidenta, ainda é cedo para prever quem a ex-adversária vai apoiar no páreo final, no próximo dia 26 de outubro. Citanto a criação, em seu governo, do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec), indicou que a estratégia do PT de ressaltar os avanços sociais de seu governo será mantida.

“Recebi um telefonema extremamente gentil e civilizado da candidata Marina. Ela me cumprimentou pela eleição. Agradeci o cumprimento e disse que tinha certeza de que nós lutávamos por melhorar o Brasil, em que pese nossas diferenças”, relatou Dilma. Acrescentou que “hoje seria uma temeridade” qualquer sinalização dos apoios para o futuro. Para a candidata, essa decisão não depende apenas de uma pessoa, mas sim de várias instâncias. Afirmou ter certeza de que parte dos votos de Marina Silva será dividida entre ela e Aécio.

Em entrevista a jornalistas, Dilma Rousseff repetiu a meta de ofertar mais 12 milhões de vagas em cursos técnicos e de nível médio do Pronatec. Elas se somarão às mais de 8 milhões de matrículas confirmadas desde 2011. Hoje, o twitter de sua campanha divulgou um quadro com 13 “ideias novas” para um eventual segundo mandato, incluindo promessas do primeiro turno, como a integração das forças de segurança pública e a reforma do ensino médio.

Em referência às gestões de Fernando Henrique Cardoso, Dilma voltou a afirmar que a antiga lei proibia o governo federal de construir escolas técnicas. Conforme a candidata, o investimento em escolas técnicas é a base para “assegurar produtividade”. Informou não estar surpresa com o resultado das eleições, que apontaram diferença entre ela e Aécio Neves menor do que previam as pesquisas de intenções de voto. “Não acreditamos nessa infalibilidade das pesquisas”, declarou. Citou a eleição, em primeiro turno, do governador da Bahia, Rui Costa (PT), como outra disparidade das pesquisas.

Respondendo a perguntas sobre mais uma polarização entre PT e PSDB, que poderia gerar, por parte do seu partido, a tentativa de divisão entre ricos e pobres, avaliou que a “culpa sempre cai na conta dos pobres”. “Acho que a gente tem de reconhecer que mais da metade do Brasil que recebemos deles era composta de pobres e miseráveis. Hoje, está diferente. De cada quatro brasileiros, três estão na classe média, majoritariamente, ou nas classes A e B”, assegurou, afirmando que essa “substantiva” mudança gerou mais benefícios nos estados do Nordeste.

Amanhã (7), Dilma terá reuniões com governadores eleitos no primeiro turno pelo PT e com senadores eleitos e governadores que disputsarão o segundo turno em estados onde não há conflitos entre candidatos de sua base aliada. De acordo com a presidenta, ainda é preciso avaliar os próximos passos da campanha, mas é possível que as viagens comecem pelo Nordeste e Sudeste.

Fontes[editar]

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati