Devolução de poderes anunciada pelo Reino Unido desagrada à Escócia

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

27 de novembro de 2014

Reino Unido

A primeira-ministra da Escócia, Nicola Sturgeon, demonstrou insatisfação com o pacote de devolução de poderes ao Parlamento escocês, anunciado hoje (27) pela Comissão Smith, uma comissão parlamentar criada para conduzir as negociações. Segundo ela, a Grã-Bretanha está falhando em cumprir as promessas feitas na ocasião do referendo pela independência, em 18 de setembro, “mas que o veredito final será garantido pelo povo nas eleições gerais, em Maio”.

Sturgen enfatizou que o Parlamento escocês espera ter poder sobre a criação de empregos, definição do salário mínimo e sobre a contribuição previdenciária, coisas que não foram mencionadas no pacote. “Queremos poder nas nossas mãos para criar um sistema melhor, para tirar as pessoas da pobreza e garantir o crescimento da economia. Esse é o tipo de poder parlamentar que queremos, mas infelizmente, não é o que nos será dado”, destacou.

O pacote anunciado hoje é resultado de um acordo entre partidos político britânicos e garante à Escócia, entre outras coisas, autonomia sobre a cobrança e a arrecadação do Imposto de Renda. Essa é considerada a maior transferência de poderes do Reino Unido à Escócia desde 1999, quando foi reestabelecido o Parlamento escocês. O acordo só entrará em vigor no ano que vem.

O primeiro-ministro britânico, David Cameron, disse estar satisfeito com o que foi anunciado. “Estamos mantendo nossas promessas”, declarou. No dia 18 de setembro, 55% dos escoceses votaram contra a independência do país em relação ao Reino Unido. Mais de 3,6 milhões, dos 4,3 milhões de eleitores registrados compareceram às urnas, um recorde em relação a todas as eleições já ocorridas no Reino Unido desde o sufrágio universal, em 1918. Na ocasião, Cameron e os três principais partidos políticos britânicos prometeram mais autonomia ao Parlamento escocês em impostos, gastos e serviços públicos.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati