Desemprego juvenil na China é de quase 20%

Fonte: Wikinotícias
Universidade de Pequim

25 de agosto de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Em 1999, menos de 1 milhão de pessoas se formaram em faculdades na China. Este ano, um recorde de 10,7 milhões de novos graduados universitários ingressaram no mercado de trabalho chinês. E muitos deles enfrentam dificuldades para encontrar emprego, de acordo com dados oficiais.

O desemprego juvenil na China atingiu 19,9% em julho, de acordo com os últimos dados divulgados pelo National Bureau of Statistics do país. Essa é a taxa mais alta desde que Pequim começou a publicar o índice em janeiro de 2018, quando a taxa era tão baixa quanto 9,6%.

A alta taxa de desemprego de julho para jovens de 16 a 24 anos – acima de um recorde anterior de 19,3% em junho – é em grande parte devido a uma queda econômica que a China vem experimentando nos últimos anos, disseram vários analistas da China ao VOA Mandarin. Essa desaceleração econômica foi exacerbada pela pandemia de COVID-19 e pelas rígidas restrições de contenção de Pequim, incluindo a política “Zero COVID”, que reduziu as exportações e os gastos dos consumidores.

“Eles estão colhendo o que estão plantando no momento, e o que plantaram nos últimos dois anos não foi bom para o mercado de trabalho”, disse Zak Dychtwald, CEO do Young China Group, uma consultoria que faz pesquisa de mercado sobre jovens na China.

O mercado pode ser ainda mais desencorajador para recém-formados e outros candidatos a emprego do que sugerem os números oficiais, disse Dorothy Solinger, professora emérita da Universidade da Califórnia, Irvine, que estuda o desemprego na China.

As “estatísticas de desemprego da China estão notoriamente erradas”, disse Solinger à VOA Mandarin. “Estou surpreso que eles estejam anunciando que é tão alto agora, mas isso me faz pensar que pode ser ainda maior.”

Fontes