Desculpas do fabricante de chips dos EUA à China atrai críticas

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.

24 de dezembro de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

A fabricante de chips norte-americana Intel está enfrentando críticas na China depois que se desculpou na quinta-feira por uma carta que a empresa enviou a fornecedores pedindo a eles "para garantir que sua cadeia de suprimentos não use nenhum trabalho ou fonte de bens ou serviços da região de Xinjiang".

Na quinta-feira, a Intel postou uma mensagem em chinês em suas contas wechat e weibo pedindo desculpas por "problemas causados a nossos respeitados clientes chineses, parceiros e público. A Intel está comprometida em se tornar um parceiro de tecnologia confiável e acelerar o desenvolvimento conjunto com a China."

As desculpas da Intel vieram quando o presidente dos EUA Joe Biden assinou a Lei de Prevenção do Trabalho Forçado dos Uigures, que proíbe a importação de bens produzidos pelo trabalho escravo uigure. Sob a medida, uma empresa está proibida de importar da região de Xinjiang, na China, a menos que possa provar que suas cadeias de suprimentos não usaram mão-de-obra de uigures, muçulmanos étnicos supostamente escravizados em campos chineses.

Pequim nega as queixas de abusos na região majoritariamente muçulmana.

A Intel é apenas a mais recente empresa multinacional a ser envolvida na luta sobre a questão dos Uigures enquanto a China se prepara para sediar os Jogos Olímpicos de Inverno em fevereiro. A Intel está entre os patrocinadores do Comitê Olímpico Internacional. De acordo com a Reuters, 26% da receita total da Intel em 2020 foi obtida na China.

No início deste mês, a carta da Intel aos fornecedores pedindo que eles não usem mão-de-obra, produtos ou serviços de Xinjiang citou restrições impostas por "vários governos".

Isso provocou uma reação na China, com pedidos de boicote e críticas à empresa no Estado e nas mídias sociais. O Global Times, um jornal estatal chinês, chamou o pedido da Intel aos fornecedores de "arrogante e cruel", segundo relatos.

Wang Junkai, também conhecido como Karry Wang, um cantor da popular boy band TFBOYS, disse no Weibo na quarta-feira que ele não serviria como embaixador da marca Intel. "“s interesses nacionais excedem tudo”, disse ele, de acordo com relatórios do serviço de telefonia.

Autoridades chinesas reconheceram as desculpas da Intel.

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China disse em uma reunião diária em Pequim que "notamos a declaração e esperamos que a empresa relevante respeite os fatos e diga o certo do errado", de acordo com a Reuters.

A Casa Branca também apareceu para notar as desculpas da empresa.

Sem nomear a Intel, Jen Psaki, secretária de imprensa da Casa Branca, disse em uma reunião na quinta-feira que as empresas dos EUA "nunca devem sentir a necessidade de se desculpar por defender os direitos humanos fundamentais ou se opor à repressão", segundo relatos.

Fontes