Descoberta de novo roedor conduz à nova família de mamíferos

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
LocationLaos.png

25 de abril de 2005

Pesquisadores de mamíferos acabam de descobrir uma nova espécie de roedor que é diferente de tudo que já haviam visto.

Em um novo estudo publicado em Systematics and Biodiversity (Sistemática e Biodiversidade), os pesquisadores descrevem uma nova espécie de roedor chamada rato da pedra laotiano ou Laonastes aenigmamus. O roedor foi encontrado para a venda como carne num mercado no Laos. Os pesquisadores trouxeram-no a Londres, Vermont, Wisconsin e Gloucestershire, Reino Unido, para darem uma olhada melhor em seu esqueleto e DNA.

Os pesquisadores acham que o espécime não está relacionado a nada que é atualmente conhecido. O grupo teve de descrever uma nova família de mamíferos para essa espécie única, a família: Laonastidae. Na última vez que uma nova família de mamíferos foi criada para acomodar uma nova descoberta de espécie foi em 1974 quando o morcego de mamangaba foi descoberto.

Os parentes mais próximos ao rato da pedra laotiano são um grupo de roedores que inclui porcos-espinhos e cobaias, mas esta relação é bastante distante. Os pesquisadores acham que os ratos da pedra laotianos podem ter se separado de antepassados comuns há muito tempo, sendo que os porcos-espinhos e as cobaias se desenvolveram depois daquela separação.

Os autores esperam que através do estudo dos ratos da pedra laotianos, eles possam solucionar um quebra-cabeça antigo. Como as cobaias e seus parentes chegaram à América do Sul numa época em que era o continente cercado por água? Até a descoberta desses ratos da pedra laotianos, os únicos parentes das cobaias de fora do Novo Mundo eram aqueles achados somente na África ou então na África e na Ásia. Isto levou alguns cientistas a pensar que os antepassados da cobaia chegaram à América do Sul oriundos da África através do Oceano Atlântico. Outros dizem que eles foram para Ásia e América do Norte primeiro. Entender como o novo parente asiático da cobaia é ligado ao resto da família pode ajudar a explicar este mistério.


Fontes