Depois de ultimato, jihadistas exibem vídeo de decapitação de francês

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

24 de setembro de 2014

Oriente Médio

Um grupo jihadista ligado ao Estado Islâmico divulgou hoje (24) na internet um vídeo da execução de um cidadão francês, raptado no domingo (21) na Argélia, depois que expirou um ultimato de 24 horas dado ao governo francês. O vídeo, intitulado Mensagem de Sangue para o Governo Francês, mostra imagens do presidente francês, François Hollande, na conferência de imprensa em que anunciou a participação da França nos ataques contra o Estado Islâmico no Iraque, seguidas de imagens do refém ajoelhado e com as mãos atrás das costas, rodeado por quatro homens armados.

Um dos homens lê, em seguida, uma mensagem na qual critica a intervenção dos "criminosos cruzados franceses" contra os muçulmanos na Argélia, no Mali e no Iraque. Surgem depois imagens de um dos jihadistas com a cabeça do refém e o corpo caído no solo. Hervé Gourdel, um guia de montanha de 55 anos, foi raptado no domingo na Cabília, Nordeste do país, por integrantes de um grupo jihadista argelino, o Jund Al Khilafa (Os Soldados do Califado), que ameaçou matá-lo se o governo francês continuasse a participar nos ataques da coligação internacional contra o Estado Islâmico no Iraque.

Um ultimato nesse sentido, feito na segunda-feira (22), expirou ontem (23) ao final do dia. Horas antes de ser conhecida a execução de Gourdel, o primeiro-ministro francês, Manuel Valls, afirmou na Assembleia Nacional que a França rejeita o ultimato e continuará a lançar ataques no Iraque até que o Exército iraquiano esteja em vantagem em relação aos ‘jihadistas’.

“Vamos manter-nos envolvidos, pelo tempo que for necessário, até que o Exército iraquiano tenha recuperado a superioridade. Um perigo mortal alastra pelo Médio Oriente”, disse.

Fontes

Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Reddit.com