Declarações de Chávez podem dificultar votação sobre adesão da Venezuela ao Mercosul

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

9 de novembro de 2009

A convocação do presidente venezuelano, Hugo Chávez, aos militares do país para que eles se preparem para uma guerra contra a Colômbia deve dificultar a votação, no Senado brasileiro, do Protocolo de Adesão da Venezuela ao Mercosul. No programa semanal Alô Presidente, veiculado ontem (8), Chávez pediu à população que defenda o país contra eventuais invasões do território venezuelano por militares americanos e colombianos, a partir das bases instaladas na Colômbia.

O vice-líder do governo no Senado, Gim Argello (PTB-DF), afirmou à Agência Brasil que o ato de Chávez “vai ser um complicador” para a votação do documento na quarta-feira (11), como foi acordado entre o presidente José Sarney (PMDB-AP) e alguns líderes, na semana passada.

DEM e PSDB devem tomar providências já no início desta semana para tentar inviabilizar a votação da matéria. O presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), Demóstenes Torres (DEM-GO), pretende pedir ao líder de seu partido, José Agripino Maia (RN), que converse com Sarney para suspender a votação na quarta-feira.

“Vamos mostrar que mais uma vez Hugo Chávez tenta incendiar o continente”, afirmou Torres.

Já o vice-líder do PSDB, Álvaro Dias (PR), afirmou que o seu partido defenderá, no plenário, que o Senado suspenda as discussões sobre o apoio brasileiro ao ingresso da Venezuela ao Mercosul. Na sua avaliação, o próprio presidente do Senado tem adotado a postura de delegar ao plenário decisões desta envergadura.

O tucano acrescentou que esta postura não impede os líderes de conversarem com José Sarney para transferir a votação da matéria até que fique mais clara a postura adotada pelo presidente da Venezuela.

O senador Renato Casagrande (PSB-ES), considera necessário estudar melhor este assunto até quarta-feira. Ele reconheceu, no entanto, que Hugo Chávez em nada ajuda o governo brasileiro para viabilizar a aprovação do protocolo no Senado.

Casagrande afirmou que com declarações desse tipo o venezuelano só cria problema para a base do governo que é favorável ao ingresso do país ao Mercosul.

As declarações de Chávez foram feitas em um momento de crescente tensão na fronteira com a Colômbia e da assinatura de um acordo militar entre os governos colombiano e americano, segundo informações da BBC Brasil.

“Senhores oficiais, a melhor forma de evitar a guerra é preparando-se para ela”, afirmou Chávez, durante o programa dominical de rádio e TV Alo Presidente. "Não percam tempo em cumprir com o dever de preparar-nos para a guerra e ajudar o povo a preparar-se para a guerra, porque é uma responsabilidade de todos”, disse.

A crise diplomática entre Colômbia e Venezuela se aprofundou nas duas últimas semanas, quando dois militares venezuelanos foram assassinados no Estado fronteriço de Táchira por supostos paramilitares.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati