Decisão da OMC sobre subsídio ao algodão deve sair em agosto

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

10 de julho de 2009

Brasil


A Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa) aguarda decisão da Organização Mundial do Comércio (OMC) para saber a retaliação que será feita aos Estados Unidos pelos subsídios concedidos pelo governo ao setor.

O presidente da Abrapa, Haroldo Cunha, disse à Agência Brasil que os estadunidenses não retiraram os seus subsídios, que são proibidos, e que está aguardando a decisão da OMC sobre o assunto.

O órgão de arbitragem do comércio mundial deveria ter apresentado sua decisão no dia 30 de abril passado. A data, porém, foi prorrogada para 30 de junho e, posteriormente, para 14 de agosto. Em março deste ano, o governo brasileiro pedia US$ 2,6 bilhões por danos causados pelos subsídios dos Estados Unidos ao setor algodoeiro nacional.

Na próxima terça-feira (14), a Abrapa recebe a visita do presidente da Associação de Produtores de Algodão da África, François Traore. Haroldo Cunha disse que a comitiva africana vem conhecer o que o Brasil está fazendo em termos de tecnologia, lavouras, sistemas de produção, com vistas a possível cooperação. A delegação será recebida também na Confederação Nacional da Agricultura (CNA).

Cunha lembrou que já existe uma parceria dos produtores africanos de algodão com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa).

Segundo ele, a entrada, este mês, da Abrapa no conselho da instituição internacional Better Cotton Institute (Instituto para um Algodão Melhor) dará maior voz em nível mundial ao país.

Para o executivo, esse talvez seja o projeto de maior repercussão no mundo na questão ambiental e social, “onde o que se prega é a melhoria contínua no sistema produtivo do algodão, tanto em termos ambientais, quanto em termos sociais e de relações de trabalho”.

O BCI é formado por associações internacionais voltadas para a produção de algodão sustentável.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati