Da gripe suína a vírus informático

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


Gráfica que mostra o aumento no número de vírus informáticos conhecidos do ano 1990 ao 2005.

12 de maio de 2009

Pouco depois que o vírus da gripe humana (originalmente chamada de "gripe suína") passando de ameaça para a saúde dos humanos a uma potencial ameaça para computadores. Da página especializada em tecnologia Baquia alerta a difusão de correios eletrónicos (e-mails) que propagam vírus valendo-se o medo causado pela epidemia.

Já foram detectados casos em mensagens de spam como "A gripe suína afeta todo o mundo!" ou "Surto de gripe suína!" Outros, ainda, incluem nomes de celebridades: "Salma Hayek tem a gripe e suína" e "Madonna está contagiosa", ainda que venham a usar o nome de canais como a Fox News ou CNN para dar uma falsa credibilidade ao nível da mensagem.

Alguns desses correios (e-mails) contêm um vírus informático que pode causar danos ao sistema operacional do ordenador (computador), enquanto que outros podem incluir algum programa de phishing.

"A gripe suína que virou em um vírus informático que aproveita o medo, a confusão e o interesse pela informação disponíveis na web sobre a epidemia para propagar códigos maliciosos, e-mails (correio eletrônico) de propaganda e infectar equipamentos informáticos", afirma Juan Pablo Castro, Coordenador de Tecnologia de Trend Micro na América Latina.

"A gripe suína não só deixou que nos cuidassem permaneçam confinados às suas casas. Este fenómeno vai passar mais tempo conectado à Internet em busca de informação, recomendações ou comentários sobre o tema, prolongando de passar o tempo de exposição a ataques dos ciber-criminosos", afirma o gerente.

O texto dessas mensagens evidentemente não está claramente relacionado ao vírus A/H1N1, mas inclui uma curta mensagem anunciando produtos farmacêuticos, entre outros anúncios virais.

Além disso, Trend Micro também adverte para a circulação de e-mails (correios eletrônicos) com supostos vídeos e mensagens do Presidente do México, Felipe Calderón, ou funcionários do Secretaria da Saúde (equivale o Ministério da Saúde), fornecimento novas medidas e dados sobre a epidemia. A empresa tem sido encarregada de avisar os usuários para que ignorem este e outras mensagens similares.

Fontes[editar]