Crise política na Costa do Marfim

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

23 de dezembro de 2010

A França pediu que 15 mil cidadãos franceses abandonem temporariamente a Costa do Marfim “como precaução”, por causa da instabilidade política. De acordo com a BBC, a crise gerada pela conturbada eleição presidencial de 28 de novembro também fez com que o Banco Mundial (Bird) congelasse os empréstimos para o país.

Localização de Costa do Marfim.

A informação foi confirmada pelo presidente da instituição, Robert Zoellick, depois de um encontro com o presidente francês, Nicolas Sarkozy. Ele anunciou também que o escritório do Bird em Abdijan (maior cidade da Costa do Marfim) foi fechado. Em um comunicado, o banco multilateral informou que a medida é “uma mensagem ao presidente Gbagbo de que ele perdeu as eleições e precisa deixar o poder.”

De acordo com agências internacionais, o presidente Laurent Gbagbo convidou um comitê internacional para examinar os resultados da eleição presidencial de 28 de novembro. A Comissão Eleitoral deu vitória ao candidato da oposição, Alassane Ouattara. Mas a Corte Constitucional reviu os números e inverteu a decisão em favor de Gbagbo, alegando fraude em alguns distritos.

Em um comunicado na televisão pública do país, Gbagbo disse “não querer nova guerra [civil]” e, por isso, abre as portas à comissão internacional que pode, segundo ele, ser liderada pela União Africana e envolver a Organização dos Países do Oeste da África (Ecowas), as Nações Unidas (ONU), os Estados Unidos, a União Europeia, além de Rússia e China, que reconheceram Ouattarra como vencedor das eleições.

Mesmo com a pressão internacional para deixar o poder, Gbagbo mantém-se no cargo com apoio da Justiça e das Forças Armadas marfinenses. Os militares devem suspender nesta quarta-feira (22) o toque de recolher noturno, em vigor desde o dia da votação do segundo turno.

Esta foi a primeira eleição no país em dez anos. As tentativas anteriores, desde 2005, foram abortadas por causa da insegurança e da instabilidade política. Em 2002, uma tentativa de golpe foi frustrada pelo governo, que manteve-se no poder, mas sem recuperar o controle da Região Norte, e que levaram a Costa do Marfim a dois anos de guerra civil. Maior produtor de cacau do mundo e polo de atração de investidores na década de 1990, a Costa do Marfim viu o interesse estrangeiro desaparecer.

Nos últimos dias, episódios de violência já teriam deixado mais de 50 mortos, segundo a ONU. A Nigéria retirou o embaixador do país depois de a embaixada ter sido atacada. O país havia proposto a Gbagbo que entregasse o poder e fosse para o exílio.

Na segunda-feira, o Conselho de Segurança da ONU renovou o mandato da força de paz na Costa do Marfim por mais seis meses. O organismo denuncia que os esforços humanitários estão sendo bloqueados pelo governo marfinense.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati