Crise na Ucrânia eleva os preços dos alimentos em todo o mundo

7 de março de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

O impacto da invasão da Ucrânia pela Rússia - um país há muito conhecido como o "celeiro da Europa" por causa das prodigiosas quantidades de trigo, milho e outros grãos de cereais que produz - se estenderá muito além da Europa, causando estragos no abastecimento global de alimentos, especialistas de agências de ajuda dizem.

A Ucrânia produz 16% do milho do mundo, e a Ucrânia e a Rússia juntas produzem 29% do trigo vendido nos mercados mundiais. Grande parte do que eles exportam vai para a África, Oriente Médio e Sul da Ásia, e com praticamente nenhuma carga saindo dos portos do Mar Negro de ambos os condados, os preços dos alimentos básicos estão subindo. Ainda não se sabe se uma guerra duradoura na Ucrânia prejudicará a colheita deste ano ou impedirá a semeadura para a próxima safra.

Crise alimentar preexistente

Globalmente, os preços dos alimentos já estavam em alta de 10 anos antes da Rússia invadir a Ucrânia, de acordo com o Programa Mundial de Alimentos das Nações Unidas. Desde 25 de fevereiro, um dia após a Rússia lançar sua invasão em grande escala, os futuros de trigo subiram até 40% e os futuros de milho até 16%.

Como a guerra já está interrompendo o fornecimento global de combustível – um problema que piorará drasticamente se as sanções à Rússia forem ampliadas para cobrir suas exportações de energia – os custos mais altos de transporte estão contribuindo para o aumento dos preços.

“Já estamos enfrentando uma crise de fome global que não vimos, pelo menos neste século”, disse Jordan Teague, diretor interino do grupo de caridade Bread for the World, à VOA.

Fonte