Covid-19: vacinas da Pfizer e da AstraZeneca são altamente eficazes contra a variante Delta

21 de junho de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Uma nova análise feita pelo PHE (Public Health England) demostrou que duas doses das vacinas contra covid-19 em uso no Reino Unido são altamente eficazes contra casos graves da doença causados pela variante Delta (B.1.617.2).

O estudo, publicado em versão pré-print no dia 14 de junho passado, sugeriu que:

  • a vacina da Pfizer-BioNTech é 96% eficaz contra hospitalizações após 2 doses;
  • a vacina Oxford-AstraZeneca é 92% eficaz contra hospitalizações após 2 doses.

O resultado é semelhante à eficácia dos dois imunizantes contra a variante Alfa.

A análise incluiu 14.019 pacientes que foram diagnosticados com a cepa Delta que procuraram os serviços de emergência entre 12 de abril e 4 de junho - 166 dos quais foram hospitalizados - e também demonstrou que mesmo após a primeira dose, as vacinas já garantem proteção: a da Pfizer mostrou 94% de efetividade após a primeira dose e a da AstraZeneca, 71% de efetividade.

O Secretário de Saúde e Assistência Social, Matt Hancock disse: "esta evidência da eficácia de 2 doses contra as variantes mostra o quão crucial é fazer a segunda dose. Se você tomou sua primeira dose, mas não a segunda, faça-o. Isso ajudará a salvar vidas e nos impulsionará de volta à recuperação".

As variantes

Há algumas semanas, a OMS (Organização Mundial da Saúde) renomeou as variantes do Sars-Cov-2, passando a utilizar o alfabeto grego para evitar a citação dos países onde elas foram identificadas pela primeira vez.

  • Variante Alfa: a antiga B.1.1.7, identificada no Reino Unido (antes chamada variante britânica);
  • Variante Beta: a antiga B.1.351, identificada na África do Sul ((antes chamada variante sul-africana);
  • Variante Gama: a antiga P.1, identificada no Brasil ((antes chamada variante de Manaus, do Amazonas ou brasileira);
  • Variante Delta: a antiga B.1.617.2, identificada na Índia (antes chamada variante indiana).

Também há a variante andina, comum na região dos Andes, que já está circulando em vários países da América do Sul e já provocou uma morte no Rio Grande do Sul. Ela, oficialmente, ainda não foi nomeada, mas possivelmente, seguindo a ordem do alfabeto grego, será chamada de Épsilon.

Notícia Relacionada

Fontes