Covid-19: professores de SP entram em greve dias depois do retorno das aulas; mais de 140 casos de covid foram detectados nas escolas

5 de fevereiro de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Por Brasil de Fato

O Sindicato dos Professores da Educação Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp) anunciou na tarde desta sexta-feira (5) que a categoria fará greve no dia 8 e se oporá ao estado.

As aulas em sala de aula foram retomadas esta semana. Desde então, a Apeeoesp registrou 147 casos covid-19 na escola.

Segundo o sindicato, a greve tem como objetivo “proteger a vida de professores, alunos, funcionários e familiares”.

Na assembleia virtual, 91% dos trabalhadores votaram pela greve e 82% dos trabalhadores apoiaram manter distância da classe.

Na próxima semana, a Apeeoesp pretende organizar eventos para protestar contra a decisão do governo João Doria (PSDB) de retomar o ensino presencial sem tomar as medidas necessárias para controlar a disseminação do vírus.

A Secretaria de Educação do Estado de São Paulo disse aos meios de comunicação que serão tomadas "medidas judiciais cabíveis" e que as faltas de professores serão analisadas caso a caso com base nos motivos apresentados. Além disso, conforme a justificativa apresentada, se o motivo não for aceito, a ausência pode ser descontada.

Na Grande São Paulo e na fase amarela de Araçatuba, Santista, Campinas, Presidente Prudente e Registro, até 70% dos alunos poderão participar das atividades — serão obrigados a retornar. Em outras regiões, retorno de alunos à escola é opcional e a taxa de retorno por sala de aula é limitada a 35%.

O governador não comentou a declaração da greve de professores.

Fonte