Covid-19: São Paulo lança campanha Vacina Contra A Fome; pobreza triplicou no Brasil nos últimos meses

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

6 de abril de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

O Governo de São Paulo lançou a campanha Vacina Contra A Fome que visa arrecadar alimentos da cesta básica entre os que forem se vacinar. "A doação é opcional. Contribua apenas se puder e quiser", enfatiza o Governo em seu Twitter.

Qualquer município paulista pode participar e mais de 200 já aderiram à iniciativa (veja a lista aqui).

Os alimentos solicitados prioritariamente são arroz, feijão, macarrão, óleo vegetal e leite em pó, mas outros não perecíveis também são aceitos.

Os itens arrecadados serão distribuídos para as famílias mais vulneráveis, em maior insegurança alimentar e nutricional.

Pobreza triplica no Brasil durante pandemia

Segundo um estudo da Fundação Getúlio divulgado em meados de março passado, a pobreza triplicou no Brasil de agosto de 2020 até fevereiro de 2021, fazendo com que o número de brasileiros vivendo em situação de pobreza subisse de 9,5 para 27 milhões. São pessoas que vivem com no máximo 246 reais por mês.

Já 13,7 milhões passaram a viver em situação de extrema pobreza, com menos de 89 reais mensais (por pessoa).

"O desespero e a tristeza profunda estão estampados nos rostos de milhões dos brasileiros, que antes trabalhavam e, com a pandemia, não têm mais recursos para comprar o básico para alimentar suas famílias. Adultos deixam o que sobrou de comida para as crianças e vão para as ruas em busca de novas doações, mas elas estão caindo dramaticamente com o agravamento da crise econômica que atinge toda a população", escreveu Ricardo Kotscho para o UOL hoje.

"Em um ano, o quilo do arroz subiu quase 70%; o feijão preto, 51%; a batata, 47%; a carne, quase 30%; leite, 20%; e no óleo de soja alta de 87%", reportou o Jornal Nacional em 11 de março passado, enfatizando que o Brasil é o país onde preços dos alimentos subiram mais depressa durante a pandemia.

Notícias Relacionadas[editar]

Fontes[editar]

Compartilhe
essa notícia:
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit