Covid-19: Reino Unido anuncia que não há mais restrições a qualquer país

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

2 de novembro de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

Desde ontem, 1º de novembro, os restantes 7 países - Colômbia, República Dominicana, Equador, Haiti, Panamá, Peru e Venezuela - foram removidos da lista vermelha de restrições a viajantes do Reino Unido.

Os passageiros que retornam à Inglaterra a partir desses destinos agora não são mais obrigados a cumprir quarentena num hotel. As políticas da lista vermelha e de quarentena permanecem em vigor e continuarão a ser usadas como linha de defesa contra a importação de variantes do Sars-Cov-2, mas somente se necessário. A lista será revisada a cada três semanas, informou o governo britânico.

O Secretário dos Transporte Grant Shapps comemorou. "Este é mais um passo na direção certa para a retomada das viagens internacionais, com boas notícias para passageiros, empresas e o setor de viagens. (...) Seja reunindo membros da família ou facilitando o comércio das empresas. (...) No entanto, não devemos ser complacentes e permanecer prontos para entrar em ação e defender nossos ganhos duramente conquistados, se necessário".

Todos os viajantes adultos e muitos entre 12 e 17 anos de idade precisam, no entanto, apresentar atestado de vacinação e fazer um teste para detectar o Sars-Cov-2 na chegada ao Reino Unido.

Cenário atual

Conforme as autoridades britânicas, a delta é agora a variante dominante na maioria dos países ao redor do mundo, o que significa que há pouco risco de novas variantes entrarem o Reino Unido. Com isto, a Agência de Segurança de Saúde do Reino Unido (UKHSA) recomendou a retirada dos países que ainda constavam na lista de restrições.

Além disto, quase 80% dos britânicos já foram totalmente imunizados contra a covid-19, o que Shapps chamou de "sucesso", enfatizando que a vacinação "tanto em casa quanto no exterior nos permitiu atingir esse marco".

Notícias Relacionadas

Fontes



Compartilhe
essa notícia:
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit