Covid-19: OMS afirma que não há evidências de que a variante do coronavírus é mais grave

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.

22 de dezembro de 2020

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

A Organização Mundial da Saúde (OMS) afirmou ontem que está estudando variantes do coronavírus (Sars-Cov-2) encontradas na Grã-Bretanha e na África do Sul, acrescentando que não há evidências de que sejam mais letais ou graves do que qualquer cepa mais comum, e a melhor coisa que as pessoas podem fazer é trabalhar para suprimir transmissão.

Durante o briefing regular da agência em sua sede em Genebra, as autoridades disseram que continuam a receber dados sobre as variantes e há relatos da Grã-Bretanha de que a nova cepa pode ser transmitida com mais facilidade.

O diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, disse a repórteres que eles estão trabalhando com cientistas para entender como essas mudanças genéticas afetam o comportamento do vírus. Ele enfatizou que isso não é novidade, dizendo: “Os vírus mudam com o tempo; isso é natural e esperado. ”

Tedros disse que suprimir a propagação do vírus o mais rápido possível pode ajudar muito.

“Quanto mais permitirmos que ele se espalhe, mais oportunidades terá de mudar”, disse ele, acrescentando que todos os governos e cidadãos devem tomar todas as precauções necessárias para limitar a transmissão.

A líder técnica da OMS, Maria Van Kerkhove, foi rápida em acrescentar que não há ligação entre a variante na África do Sul e a da Grã-Bretanha e que são diferentes. Ela disse que eles acabaram de aparecer na mesma hora.

O que não mudou, disse Van Kerkhove, é o método pelo qual o vírus se espalha, e o distanciamento social ainda é a melhor maneira de evitá-lo.

“O vírus se espalha entre pessoas que estão em contato próximo com outras”, disse ela. “Isso ainda é o mesmo. Há investigações detalhadas em andamento e avisaremos se houver alguma alteração naquele espaço. Mas o vírus gosta de pessoas que estão em contato próximo umas com as outras. "

Enquanto isso, Michael Ryan, diretor executivo do programa de emergências de saúde da OMS, disse que, neste estágio, não há evidências de que “esse vírus mudará a gravidade, o diagnóstico ou o valor das vacinas no futuro”.


Notícia Relacionada

Fonte