Copenhague: Schwarzenegger diz que Conferência do Clima vai preservar avanços de Quioto

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Amazônia
Outras notícias sobre o meio-ambiente


Agência Brasil

15 de dezembro de 2009

Um dos palestrantes mais aguardados hoje (15), em Copenhague, o governador da Califórnia, Arnold Schwarzenegger, disse que, independentemente do resultado das discussões, a 15ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas vai servir para manter a mudança de pensamento sobre o meio ambiente, impulsionada em 1997 com o Protocolo de Quioto.

“Alguns podem dizer que Copenhague vai falhar se não houver um acordo poderoso. Mas essa conferência já é um sucesso. Quioto [o protocolo, assinado em 1997, que põe sobre os países ricos a responsabilidade pelas emissões históricas de gases de efeito estufa] mudou a forma de pensar das pessoas. Vamos preservar Quioto e aproveitar esse momento”, afirmou Schwarzenegger, diante de um auditório lotado.

Segundo o governador do estado norte-americano da Califórnia, as Nações Unidas deveriam convocar uma outra conferência somente para discutir as ações regionais de combate ao aquecimento global. “A Califórnia tem a 17ª maior economia do mundo. Muitas pessoas vão até lá para saber o que estamos fazendo. Queremos transformar nossa matriz energética para que 45% dela seja renovável em 10 anos.”

Schwarzenegger ainda encontrou clima para brincar ao final do discurso: “Eu voltarei”, lembrando a célebre frase do personagem interpretado por ele no consagrado do filme O Exterminador do Futuro.

A presença de celebridades, como ex-ator austríaco e o ex-vice presidente dos Estados Unidos, Al Gore, ocorre num momento crucial das negociações. A presidente da Conferência, a ministra do Clima da Dinamarca, Connie Hedeggard, disse que os ministros terão que trabalhar muito nas próximas 48 horas para que se chegue a um acordo.

E voltou a lembrar aos países ricos sobre a importância de financiar ações no mundo pobre e em desenvolvimento para frear o aquecimento global. “Não podemos ficar apenas no dinheiro de curto-prazo. Essa é uma questão crucial.”

Já o negociador dos Estados Unidos, Todd Stern, afirmou categoricamente que os norte-americanos não devem mudar a meta, já anunciada, de reduzir em 17% as emissões de gases de efeito estufa até 2020, considerando 2005 como ano-base. “Não viemos aqui para mudar a meta anunciada pelo presidente Obama. Temos outras ações que não estão na meta e podem aumentar [o esforço dos EUA]. Mas não vamos prometer algo que não poderemos cumprir depois.”

O Brasil participa das negociações de bastidores, a tônica das conversas nesta terça-feira em Copenhague. O ponto central, além do financiamento, é a adoção de metas que suportem o objetivo da Conferência: reduzir em pelo menos 25% as emissões globais de gases de efeito estufa até 2020, considerando a emissão registrada em 1990.

O governador de São Paulo, José Serra, também participou do painel, que destacou ações regionais para combater o aquecimento global. Serra falou sobre a meta de São Paulo, que pretende reduzir em 20% as emissões de gás carbônico (CO2) até 2020.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva chega à Dinamarca na madrugada de amanhã (16) e passará o dia em conversas reservadas com negociadores fora do centro de convenções.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati