Copenhague: Líderes mundiais discursam na COP-15

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Amazônia
Outras notícias sobre o meio-ambiente


Agência Brasil

18 de dezembro de 2009

Ao participar de cerimônia no último dia da 15ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP-15), o presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva afirmou hoje (18) que está “um pouco frustrado” com o rumo das negociações para um acordo global em Copenhague (Dinamarca).


Cquote1.png

Gostaria de sair com o documento mais perfeito do mundo mas, se não conseguimos fazer até agora esse documento, não sei se algum sábio ou anjo descerá nesse plenário e conseguirá colocar na nossa cabeça a inteligência que nos faltou

Cquote2.svg
Luiz Inácio Lula da Silva




No discurso, Lula anunciou que o Brasil poderá contribuir para um fundo internacional que financie medidas para a redução de gases de efeito estufa em países pobres. “Se for necessário o Brasil fazer um sacrifício a mais, estamos dispostos a participar do financiamento”, disse.

Ele voltou a elogiar a proposta apresentada pela delegação brasileira em Copenhague, destacando que apenas “com meias palavras e com barganhas” não se é possível encontrar uma solução para as alterações climáticas.


Cquote1.png

Quando pensarmos no dinheiro, não pensemos que estamos fazendo um favor, que estamos dando uma esmola. Porque o dinheiro que vai ser colocado na mesa é o pagamento das emissões de gases de efeito estufa de dois séculos de quem teve o privilégio de se industrializar primeiro

Cquote2.svg
Lula




Já o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, afirmou que é preciso chegar a um acordo contra o aquecimento global, ainda que o documento não seja perfeito.

“Seremos todos mais fortes e estaremos mais seguros se agirmos juntos”, disse durante o encerramento do encontro. Ele reforçou o compromisso norte-americano de reduzir as emissões de gases de efeito estufa em 17% até 2020 e em mais de 80% até 2050.

No discurso, Obama pediu transparência e cobrou mecanismos de controle capazes de conferir se as metas de redução anunciadas em Copenhague (Dinamarca) serão cumpridas. Ele defendeu ainda o financiamento a países em desenvolvimento para que eles se adaptem às mudanças climáticas.

“Mitigação, transparência e financiamento”, disse o presidente norte-americano, ao se referir à uma espécie de “fórmula certa” que envolva princípios comuns, mas responsabilidades diferenciadas de cada país. “Não temos tempo a perder. Os Estados Unidos já fizeram sua escolha, fizemos nossos comprometimentos e faremos o que estamos dizendo aqui”, acrescentou.

Obama chegou hoje a Copenhague (Dinamarca) após alterar sua agenda para tentar chegar a um acordo de última hora contra o aquecimento global. No início do último dia do evento, alguns delegados culpavam os Estados Unidos e a China pela falta de consenso para um acordo político.

O porta-voz do presidente norte-americano, Robert Gibbs, afirmou que o líder se reuniu com dirigentes políticos de países ricos como a Austrália, Reino Unido, França e Alemanha, e de países em desenvolvimento como a Etiópia, Bangladesh e Colômbia. China e Rússia, participantes-chave nas negociações sobre alterações climáticas, também se reuniram com Obama.

Por sua vez, o presidente da França, Nicolas Sarkozy, afirmou que as negociações na COP-15 estão “tensas” e com poucos avanços. As informações são da agência portuguesa Lusa. Após reunir-se com o presidente Obama, Sarkozy disse ainda que parte do atraso nas negociações tem sido provocada pela China. Ele acrescentou que toda a Europa está “unida” e que África e Estados Unidos também compartilham posições similares.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati