Contribuições da campanha 'Dark Money' atingem um recorde alto

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

9 de agosto de 2020

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

Agência VOA

Organizações sem fins lucrativos e outros grupos externos que não divulgam seus doadores estão gastando quantias recordes de dinheiro nas disputas presidenciais e parlamentares de 2020, sinalizando sua crescente influência na política nacional.

Esses grupos chamados de "dark money" até agora canalizaram pelo menos US$ 177 milhões para comitês de ação política independentes, conhecidos como super PACs, no ciclo eleitoral de 2020, de acordo com dados compilados pelo Center for Responsive Politics, um grupo com sede em Washington que rastreia dinheiro na política.

Em comparação, esses grupos doaram US $ 178 milhões em todo o ciclo da campanha há dois anos, de acordo com o centro. Além disso, desta vez, os grupos de dark money gastaram mais de US$ 19 milhões em propaganda política direta, um valor que provavelmente aumentará à medida que as campanhas aumentam nos próximos meses.

Anna Massoglia, pesquisadora do Center for Responsive Politics, disse que os gastos de super PACs e outros grupos externos que recebem dinheiro de fontes não identificadas estão a caminho de estabelecer um novo recorde neste ciclo eleitoral de dois anos.

"Os gastos com dark money continuaram a fluir no ciclo eleitoral de 2020", disse Massoglia em uma entrevista. "Vimos o dark money influenciando e impactando as eleições de 2020 de algumas maneiras diferentes."

Super PACs

Proponentes de grupos políticos que são beneficiários de contribuições de doadores não identificados, como organizações sem fins lucrativos e corporações de fachada, rejeitam o rótulo de "dark money" usado por seus detratores.

Independentemente de como essa prática é chamada, a prevalência de dinheiro externo explodiu depois de uma decisão da Suprema Corte de 2010 que dizia que o governo não poderia restringir os gastos políticos de corporações e sindicatos. Isso deu origem ao surgimento de uma nova geração de juggernauts de gastos políticos - os super PACs.

Na década desde a decisão da Suprema Corte conhecida como Citizens United, grupos de dinheiro escuro, como a Câmara de Comércio dos EUA, relataram quase US$ 1 bilhão em gastos diretos nas eleições dos EUA para a Comissão Eleitoral Federal, de acordo com o Center for Responsive Politics.

Embora seja uma pequena fração dos gastos gerais com as eleições nos EUA, os críticos dizem que permitiu que doadores ricos influenciassem o resultado das eleições, mantendo os eleitores no escuro sobre seu papel.

"Este é um problema crescente, e milhões de dólares estarão fluindo para super PACs nas próximas semanas antes do dia da eleição", disse Michael Beckel, diretor de pesquisa do Issue One, um grupo com sede em Washington que monitora o papel do dinheiro em política. "Parte desse dinheiro pode vir de fontes misteriosas que o público não tem ideia de quem seja", disse ele à VOA.

Os defensores conservadores dos gastos anônimos rejeitam alegações de intenções nefastas e dizem que revelar os nomes de doadores individuais pode sujeitá-los a intimidação e assédio políticos.

Quando organizações como a Câmara de Comércio dos EUA e a Paternidade Planejada dão dinheiro para super PACs, eles dizem, os eleitores sabem que os fundos vêm de seus membros e apoiadores.

"Então, a ideia de que isso é algo sobre o qual o povo americano não sabe nada e não sabe quem está tentando influenciá-los, acho que muitas vezes é bastante falsa", disse Bradley A. Smith, um ex-presidente republicano da Comissão Eleitoral Federal que agora dirige o Institute for Free Speech, um grupo conservador que se opõe às restrições ao financiamento de campanhas.

Véu de segredo

Os grupos de dinheiro negro não dão dinheiro apenas para super PACs e outras organizações políticas. Cada vez mais, eles estão financiando os chamados anúncios de defesa de questões. Embora evitem cuidadosamente termos como "vote a favor" ou "vote contra" um candidato, esses anúncios podem, no entanto, colocar um candidato sob uma determinada luz, disse Massoglia.

"Ao fazer isso, eles operam efetivamente como anúncios políticos sem ter que divulgar para a FEC", disse Massoglia.

O objetivo da transparência está no cerne do sistema de financiamento de campanhas dos EUA, mesmo que muitas vezes não seja alcançado. Por lei, todas as organizações políticas devem divulgar seus doadores à Comissão Eleitoral Federal para ajudar os eleitores a tomar decisões mais informadas sobre qual partido ou candidato apoiar. Os Super PACs não são exceção.

Mas examinar os arquivos de divulgação FEC de um super PAC não levantará o véu de sigilo sobre a verdadeira fonte de seus fundos.

Veja, por exemplo, o Victory 2020, um novo comitê conjunto de arrecadação de fundos envolvendo dois super PACs trabalhando para eleger democratas em novembro deste ano. Um é chamado American Bridge 21st Century e o outro é o grupo pró-Joe Biden Unite the Country.

O processo FEC do Victory 2020 mostra que US$ 5,7 milhões dos US$ 5,9 milhões que arrecadou neste ciclo eleitoral vieram de um grupo progressista chamado Fundo Dezesseis e Trinta. Mas, como o Sixteen Thirty Fund está registrado como uma organização de bem-estar social cujo objetivo principal não é político, ele não é obrigado a divulgar seus doadores. O grupo afirma que ajuda “líderes e defensores de organizações sem fins lucrativos a enfrentar uma ampla gama de desafios”, desde mudança climática até justiça racial.

Essa falta de transparência abrange toda a gama política. Do lado republicano, o super PAC Congressional Leadership Fund recebeu US$ 9 milhões da conservadora American Action Network em junho. Como o progressista Sixteen Thirty Fund, a American Action Network é registrada como uma organização de bem-estar social que não é obrigada a divulgar seus doadores.

Em seu site, o grupo afirma que seu "objetivo é colocar nossas ideias de centro-direita em ação, envolvendo os corações e mentes do povo americano e estimulando-os a uma participação ativa em nossa democracia".

O papel das empresas de fachada

Embora grupos sem fins lucrativos sejam o veículo mais comum para canalizar dinheiro escuro para as eleições, os doadores ricos também usam empresas de fachada para financiar super PACs.

Em um relatório recente, o Issue One identificou uma dúzia de empresas de fachada. Entre eles: uma empresa com sede em Nova York que deu US$ 75.000 a um super PAC liberal no Texas. A Issue One disse que não poderia vincular de forma conclusiva a empresa a nenhum indivíduo. Outras empresas de fachada foram aparentemente formadas com o único propósito de fazer doações para super PACs.

"Não sabemos onde algumas dessas empresas de fachada conseguiram os fundos", disse Beckel da Issue One à VOA.

Esta é uma lacuna que poderia ser explorada por atores estrangeiros que buscam se intrometer nas eleições dos EUA, alertou Beckel.

"A ameaça é séria e qualquer pessoa do espectro político pode se beneficiar com dinheiro secreto", acrescentou.

Nos últimos anos, o Departamento de Justiça acusou vários indivíduos acusados ​​de dar dinheiro estrangeiro a super PACs pró-Obama e pró-Trump.

"Este é um problema que precisa de ação agora e é uma lacuna gritante na lei de financiamento de campanha que está apenas esperando para ser abusada", de acordo com Beckel.

Os defensores da transparência querem que o Congresso reforce os requisitos de divulgação. Um projeto de lei bipartidário apresentado no Capitólio, chamado Shell Company Abuse Act, tornaria um crime a criação de uma empresa de fachada com a intenção de ocultar doações de campanha no exterior.

"A menos que o Congresso dê mais força à lei, esperamos que atores estrangeiros continuem a tentar abusar dessa lacuna no sistema", disse Beckel.

Fonte

Compartilhe
essa notícia:
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit