Continuam prisões e desaparecimentos de seguidores de Kalupeteka

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Angola.

Agência VOA

"Mãos Livres" detalha casos e diz que ordens vêm de "órgãos superiores".

24 de julho de 2015

A associação de direitos humanos angolana Mãos Livres acusou as autoridades de levarem a cabo uma campanha de prisões e desaparecimento de fiéis da seita A Luz do Mundo de Julino Kalupeteka. A Mãos Livres diz que houve mesmo pelo menos um caso de tortura.

Num comunicado a organização disse que uma equipa de advogados da esteve na Huíla entre 8 e 18 de Julho para avaliar a situação na sequência dos confrontos de 16 de Abril em que segundo notícias centenas de pessoas foram mortas.

O governo nega isso afirmando que menos de vinte pessoas morreram e que grande parte eram agentes da polícia

A Mãos Livres disse que durante as suas investigações ficou no entanto claro que uma intensa campanha de repressão continua, detalhando prisões e actos de intimidação generalizados contra o seguidores da seita.

Há também fiéis que desapareceram. A este respeito a organização cita a prisão de 11 fieis no Longonjo cujo paradeiro se desconhece, o mesmo acontecendo com um numero indeterminado de pessoas que foram presas no Cuinga.

Devido as acções da polícia a organização disse que muitos crentes fugiram parte incerta, alguns deles vendendo o seu gado antes de desaparecerem.

A organização diz que na Caala uma mulher de nome Helena Ngueve foi torturada e que no bairro de São Pedro, 15 residências de seguidores de Kalupeteka foram vandalizadas.

A organização diz que as prisões são efectuadas por deliberação de órgãos superiores da policia nacional e da Procuradoria-Geral da República e que advogados têm sido impedidos de contactar os presos.

Devido a isso “não se conhece o numero real de cidadãos nas cadeias por razões religiosas” mas a organização diz poder afirmar que “mais de uma centenas de fiéis” encontram-se presos.

A Mãos Livres considera estes actos como uma violação dos direitos a liberdade de consciência e crença religiosa e apela ao Procurador-Geral da República para fazer cumprir as leis, e apela também a comunidade internacional para “que se empenhe na protecção dos cidadãos membros da Igreja A Luz do Mundo”.

A amnistia internacional condenou entretanto a breve detenção de quatro activistas e um jornalista que tencionavam visitar alguns integrantes do autodenominado Movimento Revolucionário detidos há mais de um mês na prisão de Calomboloca.

A Amnistia Internacional considerou as detenções como mais um sinal de uma crescente repressão contra a dissidência e de violações flagrantes dos direitos à liberdade de expressão, reunião e associação em Angola.

Fonte

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati