Contas do Rio Grande do Sul voltam a ser bloqueadas pelo Tesouro

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

1 de setembro de 2015

O governo do Rio Grande do Sul confirmou hoje (1°) que voltou a ter suas contas bloqueadas em função de atraso no pagamento de parcela da dívida com a União. De acordo com nota divulgada pela Secretaria de Fazenda do estado, venceu ontem (31) a parcela da dívida relativa a agosto, no valor de R$ 265,4 milhões. Como a prestação não foi paga, a Secretaria do Tesouro Nacional enviou esta manhã comunicado sobre o bloqueio ao Banco do Estado do Rio Grande do Sul (Banrisul). As contas do estado já haviam sido bloqueadas em julho. Elas permanecem inacessíveis até o pagamento da parcela.

Ainda de acordo com a nota da Secretaria de Fazenda, o governo gaúcho tem condições de manter o calendário de pagamento dos salários dos servidores do Poder Executivo. “As datas foram programadas já considerando a possibilidade de bloqueio imediato das contas ou, como da vez anterior, próximo ao dia 11, quando está previsto depósito de R$ 800 para cada um dos 347 mil servidores”, diz o comunicado. O salário dos servidores está sendo pago em parcelas pelo governo. A primeira parcela, de R$ 600, foi depositada ontem. Para o dia 15 está programado o pagamento de R$ 1.400. Uma parcela complementar para quem ganha acima de R$ 2.800 será depositada até dia 22,

A secretaria informou ainda que projeta, até 11 de setembro, o ingresso da arrecadação do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) e de R$ 100 milhões em recursos federais relativos à Lei Kandir e ao Fundo de Participação dos Estados (FPE). Com os recursos, diz o órgão, será possível pagar o valor da parcela em atraso e reunir cerca de R$ 220 milhões para respeitar o calendário da folha de pagamento. Além disso, segundo o governo estadual, entre os dias 9 e 10 ingressa o imposto de substituição tributária e da alíquota seletiva sobre energia, combustíveis e telecomunicações.

Na semana passada, o governador do Rio Grande do Sul, José Ivo Sartori, informou que a Procuradoria-Geral do Estado ingressou com ação cautelar no Supremo Tribunal Federal. O estado pretende que seja declarada nulidade da cláusula do contrato da dívida do estado com a União que determina bloqueio nas contas em caso de atraso do pagamento da parcela. O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, participa hoje de audiência pública na Comissão de Finanças da Câmara dos Deputados para discutir as dívidas dos estados, com destaque para a situação do Rio Grande do Sul.

Notícias Relacionadas

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati