Conselho de Segurança da ONU deve se reunir hoje para discutir situação em Gaza

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

6 de janeiro de 2009

Está prevista para hoje (6) mais uma reunião do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas para avaliar um pedido árabe de cessar-fogo e maior proteção para a população civil, no 11º dia da ofensiva israelense contra a Faixa de Gaza. As informações são da agência argentina Télam. No sábado (3), a reunião do conselho não chegou a um consenso sobre o que deve ser feito pela ONU.

De acordo com fontes diplomáticas, a França trabalhava com estados árabes para concluir um projeto de resolução que peça o cessar-fogo que inclua tanto a interrupção dos ataques por parte de Israel quanto o bombardeio com foguetes do Hamas a partir de Gaza.

O texto também deve pedir a suspensão do bloqueio de Gaza a fim de permitir a entrada de assistência humanitária, a proteção dos civis palestinos e a retomada do processo de paz. O presidente palestino, Mahmud Abbas, está previsto para comparecer à sessão do Conselho.

Ontem (5), o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, se reuniu com uma delegação de chanceleres árabes, que concordaram que o conselho atue para deter a violência na Faixa de Gaza. Ban afirmou que a ofensiva israelense era “claramente excessiva” e que os ataques com foguetes do Hamas eram “contraproducentes e inaceitáveis”.

Hoje, o representante do chamado Quarteto Diplomático para o Oriente Médio, Tony Blair, sugeriu interceptar os túneis usados para contrabandear armas e alimentos do Egito para Gaza, a fim de conseguir um cessar-fogo imediato. O quarteto formado pela União Européia, pelos Estados Unidos, pela Rússia e a ONU busca mediar um negociação entre palestinos e israelenses.

Já o presidente francês, Nicolas Sarkozy, pediu hoje à Síria que pressione o Hamas, seu aliado, para que se possa chegar a um consenso que leve à paz na região. O chefe de Estado francês se reuniu em Damasco com o presidente sírio, Bachar al-Assad e voltou a defender que “não há uma solução militar” para a Faixa de Gaza.

Desde 2007, quando o Hamas tomou o território, Israel mantém um bloqueio ao território plestino. Para o presidente sírio, Gaza pode ser classificada como “uma grande prisão”. Ele afirmou, após o encontro com Sarkozy, que a população só tem duas alternativas: “morrer lentamente” devido ao bloqueio ou “morrer imediatamente”, devido aos ataques.

De acordo com nota divulgada pela embaixada israelense no Brasil, hoje, pela primeira vez desde o início das operações terrestres em Gaza, foram abertas as passagens para a entrada de ajuda humanitária. De acordo com a nota, entraram no território 49 caminhões com alimentos básicos, remédios e equipamentos médicos. Também entraram 80 carregamentos pela passagem de Kerem Shalom.

O depósito de combustível de Nahal Oz tambem funcionou e enviou 215 mil litros de diesel especial, para a estação elétrica da Faixa de Gaza, 93 mil litros de diesel para os organismos da ONU, e 50 toneladas de gás de cozinha.

Fontes