Conselho Europeu defende fechamento de rota migratória no Mediterrâneo

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

3 de fevereiro de 2017

O presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, disse hoje (2) que é "viável" fechar a rota imigratória do Mar Mediterrâneo que liga a Itália à Líbia, demonstrando apoio à ideia que surgiu no início do ano e será apresentada formalmente nesta sexta-feira (3). "A União Europeia [UE] demonstrou que é capaz de fechar as rotas de imigração irregular, como ocorreu com a rota do Mediterrâneo oriental. Agora é hora de fechar a rota entre Itália e Líbia", afirmou Tusk, após encontro com o premier líbio, Fayez al Serraj. As informações são da agência Ansa.

"Devemos isso a todos os que sofrem e arriscam sua vida [na travessia], mas também aos italianos e a todos os europeus", afirmou Tusk. "A UE e a Líbia têm interesses comuns em reduzir o número de imigrantes irregulares que arriscam suas vidas no Mediterrâneo central. O fluxo é insustentável, tanto para a UE quanto para a Líbia, onde os traficantes ameaçam a autoridade do Estado."

De acordo com o presidente do Conselho Europeu, o governo italiano já está ciente da ideia. "Conversei com o primeiro-ministro italiano, Paolo Gentiloni, e posso garantir que [o fechamento da rota] é viável. Precisa apenas de determinação", comentou. Milhares de imigrantes utilizam atualmente a rota mediterrânea para chegar ao continente europeu. A Ilha de Lampedusa, no Sul da Itália, é um dos principais pontos de desembarque e tem vários centros de acolhimento a estrangeiros. O fluxo cresceu ainda mais quando a rota pela Turquia foi fechada.

Desde o início da crise imigratória, a Itália pede que a União Europeia adote uma política de "responsabilidade compartilhada" e ajude a resolver o problema. Porém, o governo financia projetos de resgate de imigrantes e de acolhida.

O plano de fechar a rota mediterrânea será apresentado pela representante para Política Externa da UE, a italiana Federica Mogherini, em uma cúpula informal em Valeta, Malta. A ideia é treinar a Guarda Costeira da Líbia para ter controle central das águas territoriais, além de destinar ao menos 200 milhões de euros para ações nas fronteiras.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati