Comissão de Carteira e Ética promete meter "ordem" na situação da imprensa angolana

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.

26 de maio de 2022

link=mailto:?subject=Comissão%20de%20Carteira%20e%20Ética%20promete%20meter%20"ordem"%20na%20situação%20da%20imprensa%20angolana%20–%20Wikinotícias&body=Comissão%20de%20Carteira%20e%20Ética%20promete%20meter%20"ordem"%20na%20situação%20da%20imprensa%20angolana:%0Ahttps://pt.wikinews.org/wiki/Comiss%C3%A3o_de_Carteira_e_%C3%89tica_promete_meter_%22ordem%22_na_situa%C3%A7%C3%A3o_da_imprensa_angolana%0A%0ADe%20Wikinotícias Facebook link=https://twitter.com/intent/tweet?text=Comissão+de+Carteira+e+Ética+promete+meter+"ordem"+na+situação+da+imprensa+angolana&url=https://pt.wikinews.org?curid=79712 WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
link=mailto:?subject=Comissão%20de%20Carteira%20e%20Ética%20promete%20meter%20"ordem"%20na%20situação%20da%20imprensa%20angolana%20–%20Wikinotícias&body=Comissão%20de%20Carteira%20e%20Ética%20promete%20meter%20"ordem"%20na%20situação%20da%20imprensa%20angolana:%0Ahttps://pt.wikinews.org/wiki/Comiss%C3%A3o_de_Carteira_e_%C3%89tica_promete_meter_%22ordem%22_na_situa%C3%A7%C3%A3o_da_imprensa_angolana%0A%0ADe%20Wikinotícias Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Agência VOA

A presidente da Comissão de Carteira e Ética (CCE) de Angola, Luísa Rogério, manifesta-se desapontada com os gestores de órgãos de comunicação social públicos e privados que, alegadamente, permitem que profissionais sem carteira profissional exerçam a profissão de jornalista.

Quinze órgãos de comunicação social, entre públicos e privados, estão em vias de serem multados por permitirem que profissionais, no ativo, sem carteira profissional exerçam a profissão de jornalista.

A CCE notificou, em pouco menos de dois meses, mais de 30 jornalistas por trabalharem em situação irregular nos órgãos tutelados pelo Estado.

Em conversa com a VOA, Rogério diz persistir no seio de alguns gestores “o sentimento de impunidade e o espírito de deixar as coisas andar tal como elas sempre andaram”, no passado.

“Tem de haver um mínimo de decoro e os servidores públicos devem ser um exemplo”, defende.

Aquela profissional acrescenta haver jornalistas em Angola que se confundem “com propagandistas, publicitários e assessores de imprensa, que em sua opinião deviam mudar de profissão”.

A presidente do órgão fiscalizador da atividade jornalística em Angola afirmou, entretanto, que a dependência do seu órgão à Entidade Reguladora da Comunicação Social Angolana (ERCA), “condiciona sobremaneira a eficácia das suas decisões da CCE”.

Ainda assim, Luísa Rogério garante que a lei é para todos e que os tempos mudaram.

“Vamos atuar, na medida do possível, mas vamos atuar”, assegura.

A Comissão da Carteira e Ética é um ente de direito público ao qual compete assegurar o funcionamento do sistema de acreditação dos profissionais.

A este órgão também compete o direito de atribuir, renovar, suspender ou caçar os títulos de acreditação, nos termos da lei.

Fonte