Comissão da ONU vai investigar denúncias de violação aos direitos humanos em Honduras

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

17 de outubro de 2009

Brasil


Enquanto persiste a crise política em Honduras, provocada pela deposição do presidente Manuel Zelaya em 28 de junho passado, a Organização das Nações Unidas (ONU) anunciou que uma missão do Conselho de Direitos Humanos chega ao país neste domingo (18). A visita, com duração prevista de 21 dias, tem o objetivo de investigar denúncias de violação aos direitos humanos nos últimos três meses, desde que os golpistas liderados por Roberto Micheletti assumiram o poder em Honduras.

Ontem, depois de um dia inteiro de reuniões, representantes do presidente Zelaya e do grupo que governa de fato não chegaram a um acordo sobre a crise política no país. Segundo a vice-chanceler do governo de fato, Marta Alvarado, dos oito pontos em negociação, só falta consenso em relação ao mais importante: a restituição de Zelaya à presidência de Honduras. Roberto Micheletti se opõe ao retorno do presidente deposto, mantendo o impasse.

Zelaya quer que seu retorno tenha por base o Acordo de San José, como foi proposto pelo presidente da Costa Rica, Oscar Árias, indicado como mediador da crise. O acordo prevê a volta de Zelaya ao cargo com a aprovação do Congresso hondurenho. Já o governo golpista quer que a palavra final seja dada pela Suprema Corte.

O representante do governo deposto e secretário de Turismo durante a gestão de Zelaya, Ricardo Martinez, disse ontem (16) que ainda acredita no diálogo entre os dois lados. Como não chegaram a um consenso, ficou definido que hoje (17) haverá conversas extraoficiais entre os dois grupos. Eles também devem voltar à mesa de negociações para uma nova rodada de reuniões na próxima segunda-feira (19).

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati