Comissão da ONU vai investigar denúncias de violação aos direitos humanos em Honduras

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

17 de outubro de 2009

Brasil


Enquanto persiste a crise política em Honduras, provocada pela deposição do presidente Manuel Zelaya em 28 de junho passado, a Organização das Nações Unidas (ONU) anunciou que uma missão do Conselho de Direitos Humanos chega ao país neste domingo (18). A visita, com duração prevista de 21 dias, tem o objetivo de investigar denúncias de violação aos direitos humanos nos últimos três meses, desde que os golpistas liderados por Roberto Micheletti assumiram o poder em Honduras.

Ontem, depois de um dia inteiro de reuniões, representantes do presidente Zelaya e do grupo que governa de fato não chegaram a um acordo sobre a crise política no país. Segundo a vice-chanceler do governo de fato, Marta Alvarado, dos oito pontos em negociação, só falta consenso em relação ao mais importante: a restituição de Zelaya à presidência de Honduras. Roberto Micheletti se opõe ao retorno do presidente deposto, mantendo o impasse.

Zelaya quer que seu retorno tenha por base o Acordo de San José, como foi proposto pelo presidente da Costa Rica, Oscar Árias, indicado como mediador da crise. O acordo prevê a volta de Zelaya ao cargo com a aprovação do Congresso hondurenho. Já o governo golpista quer que a palavra final seja dada pela Suprema Corte.

O representante do governo deposto e secretário de Turismo durante a gestão de Zelaya, Ricardo Martinez, disse ontem (16) que ainda acredita no diálogo entre os dois lados. Como não chegaram a um consenso, ficou definido que hoje (17) haverá conversas extraoficiais entre os dois grupos. Eles também devem voltar à mesa de negociações para uma nova rodada de reuniões na próxima segunda-feira (19).

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via Google+ Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati