Com a pandemia, Brasil decide autorizar doação de sangue por homens gays

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Pessoas doando sangue. Imagem meramente ilustrativa.

3 de agosto de 2020

Agência VOA

Desde a pandemia da SIDA, que começou na década de 1980, o Brasil decidiu proibir a doação de sangue por homens gays, bissexuais e transexuais.

Considerado grupo de risco do HIV, as autoridades da saúde defendiam que a medida tinha o objetivo de reduzir o risco de contaminação em transfusões. No entanto, heterossexuais não enfrentavam a mesma restrição.

Desde 2017, o Supremo Tribunal Federal discutia a proibição, mas três anos depois, em meio a pandemia, a decisão foi acelerada porque os hemocentros convivem com a falta das doações. Os ministros do Supremo entenderam que, com a evolução da ciência, há maneiras de detectar doenças contagiosas durante o processo de doação - e que a restrição aos gays seria uma forma de preconceito.

Fonte

Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Reddit.com