Com Síria, Venezuela, Afeganistão, Sudão do Sul e Mianmar liderando a lista, deslocados chegam a número recorde no mundo, diz ONU

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.

16 de junho de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Agência VOA

Um recorde de 89,3 milhões de pessoas foram expulsas de suas casas por guerra, violência, perseguição e abuso de direitos humanos até o final do ano passado, um aumento de 8% em relação a 2021, de acordo com o relatório anual Global Trends da agência de refugiados da ONU, a ACNUR. O alto comissário da ONU para Refugiados, Filippo Grandi, disse que os números são ainda piores quando se inclui o número de pessoas forçadas a fugir pela invasão russa da Ucrânia. "A guerra na Ucrânia deslocou entre 12 e 14 milhões de pessoas, dependendo de como você as conta. Então, o número ultrapassou 100 milhões. Isso se deve ao aumento dos conflitos e das crises", enfatizou.

Emergências fizeram com que os números subissem a cada ano na última década. A ACNUR afirma que a invasão da Ucrânia pela Rússia estimulou a mais rápida e uma das maiores crises de deslocamento forçado desde a Segunda Guerra Mundial. Enquanto o mundo está focado na Ucrânia, Grandi pediu aos governos que prestem atenção às muitas emergências que precederam a Ucrânia e continuam a destruir a vida de milhões de pessoas. "Temos a Etiópia no final de 2020 e até 2021. Tivemos a situação do Afeganistão no verão do ano passado; Síria, por exemplo, e o Sudão do Sul; a questão dos refugiados da Palestina; são crises muito antigas que aumentam os números", disse.

O Global Trends apontou que o número de refugiados aumentou para mais de 27 milhões no ano passado, enquanto os deslocados por conflitos dentro de seus próprios países aumentaram para 53,2 milhões. Contrariando percepções comuns, o dados apontaram que mais de 80% dos refugiados fugiram para países pobres e de renda média.

O relatório revelou também que cinco países – Síria, Venezuela, Afeganistão, Sudão do Sul e Mianmar – respondem por mais de dois terços dos deslocados globais, enquanto a Turquia foi o país que mais recebeu refugiados, seguida pela Colômbia, Uganda, Paquistão e Alemanha. Os Estados Unidos ainda são o principal país de reassentamento de refugiados do mundo.

Fontes