China responde com cautela à invasão da Ucrânia pela Rússia

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.

24 de fevereiro de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

A China, o aliado mais poderoso da Rússia, foi notavelmente contida em sua reação inicial à invasão russa da Ucrânia, oferecendo pouco apoio direto a Moscou, já que grande parte do mundo procura isolar Moscou econômica e diplomaticamente.

“Gostaria de dizer que a China está acompanhando de perto a situação na Ucrânia”, disse o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Hua Chunying, em entrevista coletiva na quinta-feira. “Pedimos a todas as partes que exerçam moderação e impeçam que a situação saia do controle.

“Ainda esperamos que as partes envolvidas não fechem a porta para a paz e se envolvam em diálogo e consulta e impeçam que a situação se agrave ainda mais”, disse.

Um diplomata estrangeiro baseado em Pequim disse que a declaração é consistente com as recentes observações da China sobre a crise na Ucrânia, mas expressou surpresa por Hua não ter prometido a Moscou mais ajuda contra o que líderes ocidentais dizem que será esmagadora das sanções econômicas.

“É mais ou menos o que a China vem dizendo nos últimos dias”, disse o diplomata, que pediu para não ser identificado. “O mínimo que se esperaria de Pequim é uma garantia de que seguirá em frente com o recente acordo de compra de gás da Rússia.”

No entanto, houve sinais de que a China ajudará a amenizar o golpe das sanções esperadas, algumas das quais já anunciadas. O departamento de alfândega chinês divulgou um novo pedido assinado na quarta-feira para a compra de trigo russo.

Os dois países anunciaram um acordo comercial para a venda de trigo e cevada para a China em 8 de fevereiro. Eles pareciam fazer questão de anunciar a transação mesmo quando tropas e tanques russos estavam entrando na Ucrânia.

Durante a coletiva de imprensa, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores discordou dos jornalistas ocidentais sobre se a ação militar russa deveria ser chamada de invasão.

“Em relação à definição de invasão, acho que devemos voltar a como ver a situação atual na Ucrânia. A questão ucraniana tem outros antecedentes históricos muito complicados que continuam até hoje. Pode não ser o que todos querem ver”, disse. ela disse.

Outros especialistas chineses ecoaram o argumento do presidente russo, Vladimir Putin, de que Moscou está simplesmente respondendo à agressão ocidental e aos maus-tratos às populações de língua russa na Ucrânia.

“Acredito que a operação militar da Rússia é uma reação de Moscou à pressão dos países ocidentais sobre a Rússia por um longo tempo, mostrando que Moscou não pode mais tolerar”, disse Yang Jin, pesquisador associado do Instituto de Rússia, Europa Oriental e Estudos da Ásia Central sob a Academia Chinesa de Ciências Sociais. Ele falou ao jornal estatal Global Times na quinta-feira.

Fontes