China propõe plano para bloquear investimentos privados na mídia

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.

24 de outubro de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

Agência VOA

Uma proposta para proibir o investimento privado nos meios de comunicação chineses foi vista pelos críticos como mais uma tentativa de Pequim de controlar todos os setores da mídia.

Segundo as diretrizes preliminares publicadas no site da Comissão de Reforma e Desenvolvimento Nacional da China neste mês, as empresas privadas seriam proibidas de se envolver em empresas de mídia, incluindo a criação ou administração de operações de notícias ou a republicação de notícias produzidas por veículos estrangeiros.

Analistas políticos e jornalistas que trabalharam para a mídia chinesa dizem que as propostas mostram os esforços contínuos de Pequim para silenciar as vozes da oposição.

“O Partido Comunista está tentando colocar todas as notícias e programas de comentários sob seu próprio controle. Todas as diferentes vozes foram eliminadas”, disse Wu Zuolai, um comentarista político chinês, ao Mandarin Service da VOA.

As propostas geraram discussões em fóruns online chineses, incluindo Zhihu, onde muitos disseram acreditar que a regulamentação levaria a um declínio ainda maior da liberdade da mídia.

“Limitar o papel da mídia distorcerá a opinião pública e os governos locais podem aplicar a regra com medidas extremamente rígidas”, disse um pôster sobre Zhihu.

Outros disseram que as regras podem acabar com “qualquer pessoa segurando um microfone e pedir sua opinião na rua no futuro” ou levar à necessidade de ser mais cauteloso nas redes sociais.

A China já está mal posicionada em liberdade de mídia, ocupando a 177ª posição entre 180 países, onde 1 é o mais livre, no índice anual da Repórteres sem Fronteiras| (RSF).

Além de ser o principal carcereiro de jornalistas, a China tem a mídia estatal e privada sob “controle cada vez mais rígido, enquanto o governo cria cada vez mais obstáculos para repórteres estrangeiros”, diz RSF.

Fonte


Compartilhe
essa notícia:
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit