China considera interferência pedidos para libertação de dissidente premiado com o Nobel

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

9 de dezembro de 2010

A China qualificou hoje (9) de "interferência flagrante" em seus assuntos domésticos a aprovação de uma resolução no congresso americano pedindo a libertação do ganhador do Prêmio Nobel da Paz este ano, o dissidente Liu Xiaobo. A resolução foi aprovada pela Câmara dos Representantes por 402 votos contra 1. O texto congratula Liu Xiaobo e pede reformas democráticas na China.

Uma porta-voz do Ministério de Assuntos Exteriores chinês disse que a aprovação da resolução americana é "arrogante" e acrescentou que os países que comparecerem à cerimônia de entrega do Nobel estarão desrespeitando os chineses. "Esperamos que os países que receberam o convite [para a cerimônia] sejam capazes de distinguir entre o certo e o errado", disse a porta-voz. A China considera Liu Xiaobo criminoso por incitar a subversão contra o regime do país.

Às vésperas da cerimônia de premiação, marcada para amanhã (10) em Oslo, na Noruega, sites noticiosos foram bloqueados na China. A impossibilidade de acesso foi registrada por usuários em diversas partes da China. O escritório chinês da agência AFP informou que não conseguiu acessar outros sites de notícias, como o da rede americana CNN e o da empresa pública de notícias da Noruega, a NRK.

Quando o Comitê do Nobel anunciou a premiação de Liu Xiaobo, há dois meses, as primeiras informações foram bloqueadas em canais de TV. A emissora estatal chinesa, CCTV, não noticiou a premiação de Liu Xiaobo.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati