Chefe da OTAN diz que Turquia concorda com a entrada da Suécia na aliança

Fonte: Wikinotícias

11 de julho de 2023

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

O secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, disse que o presidente turco, Recep Tayyip Erdoğan, concordou em enviar o protocolo de adesão da Suécia à aliança militar ao parlamento turco "o mais rápido possível".

Stoltenberg fez o anúncio após conversas com Erdoğan e o primeiro-ministro sueco Ulf Kristersson na véspera de uma cúpula da OTAN na Lituânia.

A adesão da Suécia à OTAN foi adiada por objeções turcas desde o ano passado.

Horas antes, Erdoğan havia dito que a Turquia poderia aprovar a entrada da Suécia na OTAN se as nações europeias "abrirem o caminho" para a candidatura da Turquia à União Europeia.

Erdogan, cujo país evitou dar a aprovação final à adesão da Suécia à OTAN, fez as declarações em Ancara na segunda-feira antes de partir para a cúpula da aliança militar em Vilnius, na Lituânia.

Por sua vez, o presidente dos EUA, Joe Biden, elogiou a decisão de Erdogan e disse estar "pronto para trabalhar" com seu homólogo turco "para melhorar a defesa e a dissuasão na área euro-atlântica".

“Estou ansioso para receber o primeiro-ministro Kristersson e a Suécia como nosso 32º aliado da OTAN. E agradeço ao secretário-geral Stoltenberg por sua forte liderança”, disse ele em comunicado na Casa Branca.

A Turquia é candidata a ingressar na UE, mas seu processo está paralisado devido ao revés democrático em Ancara e às disputas com Chipre, membro do bloco.

O ministro das Relações Exteriores da Suécia, Tobias Billström, expressou otimismo na segunda-feira de que a Turquia retiraria suas objeções à adesão da Suécia à OTAN, dizendo que era apenas uma questão de tempo.

Ancara bloqueou a adesão da Suécia à Otan, dizendo que o país deveria fazer mais para ir atrás de militantes curdos e outros grupos que Ancara considera uma ameaça à sua segurança nacional. Os protestos anti-Turquia e anti-Islã em Estocolmo levantaram dúvidas de que um acordo pudesse ser alcançado antes da cúpula da aliança.

Notícia relacionada

Fontes