Chanceler propõe grupo para ajudar governo interino da Venezuela

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


1 de fevereiro de 2019

Brasil —

Chanceler propõe grupo para ajudar governo interino da Venezuela

O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo disse hoje (1º) que o Brasil propôs a criação de um grupo interministerial para discutir ações de apoio ao processo de transição política na Venezuela, sob coordenação Casa Civil. O objetivo é debater medidas para ajudar o governo interino da Venezuela do presidente Juan Guaidó, incluindo ajuda humanitária ao país vizinho, assim como sanções contra a gestão do presidente Nicolás Maduro.

O chanceler disse que não há um “prazo” para efetivação da proposta. “[O grupo] ainda não está estabelecido, esperamos que possa ser em breve”, disse Araújo, que justificou a existência da proposta como uma resposta de apoio do governo brasileiro à Guaidó.

Uma série de medidas está sendo analisada para a Venezuela. Na lista, estão o incremento da ajuda humanitária à Venezuela, a renegociação de dívidas ou alargamento do prazo para o pagamento e até um possível congelamento de bens de autoridades venezuelanas ligadas ao governo de Nicolás Maduro, além de outras sanções específicas que, de acordo com o ministro, favoreçam a troca de poder na Venezuela.

“Teríamos que ver se é compatível, antes de mais nada, com a legislação brasileira e se seria útil para acelerar a transição Isso dependeria de uma discussão política e, de outro lado, de como fazer esse procedimento dentro da legislação brasileira e das normas internacionais, uma coordenação que vai além do Itamaraty”, disse Araújo. “O principal é a questão diplomática continuada em favor da transição democrática, independentemente dos instrumentos específicos”, acrescentou.

Dívidas

Com relação à dívida venezuelana, Araújo disse que é preciso discutir com as autoridades financeiras como o Banco Central. Uma possibilidade seria a reestruturação da dívida que os venezuelanos contraíram no Brasil com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

No final de dezembro, Nicolás Maduro chegou a fazer uma proposta de reescalonamento dessa dívida, que soma US$ 795 milhões. “No momento não estamos com propostas concretas na mesa para o equacionamento dessa dívida”, disse Araújo.

Em relação à ajuda humanitária, o chanceler disse que o Brasil está conversando com autoridades da Colômbia e que o país poderia coordenar esse processo. “Espero que essa logística, uma vez resolvida, não tivesse seu trânsito na Venezuela impedido por elementos ligados ao regime de Maduro”, disse.

Grupo de Lima

O tema será uma das pautas da reunião do chamado Grupo de Lima - Argentina, Brasil, Canadá, Chile, Colômbia, Costa Rica, Guatemala, Honduras, México, Panamá, Paraguai, Peru, Guiana e Santa Lúcia.

Na próxima segunda-feira (4), o grupo se reúne novamente em Ottawa (Canadá), para tratar de formas de apoio à tentativa de Guaidó de formar um novo governo. “Não temos especificamente nenhuma proposta. Nossa posição é de continuar dando o apoio máximo às iniciativas do processo de transição democrática na Venezuela”, disse.

Críticas

Na entrevista coletiva, o chanceler fez críticas duras a Maduro. Segundo ele, o venezuelano deve ser responsabilizado por uma série de ações criminosas, inclusive o que chamou de “genocídio silencioso”. Também afirmou que Maduro tem ligações com o narcotráfico, crime organizado e terrorismo.

“Havia uma política deliberada de fazer o povo passar fome, de negar tratamento médico e outros cuidados para sujeitar a população. O regime era parte de um esquema internacional que, em determinado momento, imaginou que poderia ganhar o poder sobre toda a América latina”, disse.

Pressão

Nos últimos dias, a pressão internacional contra o governo Maduro aumenta. Ontem (31) a União Europeia que reconheceu o deputado federal Juan Guaidó como presidente legítimo da Venezuela e recomendou aos países da região seguirem o mesmo sentido.

A chefe da diplomacia europeia, Federica Mogherini, anunciou a criação de um Grupo de Contato de países europeus e latino-americanos para trabalhar por uma saída da crise na Venezuela através de eleições. O grupo terá duração de 90 dias.

“Esperamos que a saída de Maduro seja a porta da rua de alguma maneira. O Brasil não está envolvido em negociar, formatar o que seria essa saída, entendemos que essa seria a função desse novo quadro democrático que está se formando na Venezuela. Se nos for pedido um tipo de apoio veremos o que é possível sair. O final da crise só virá com a deposição completa do regime atual”, afirmou.

O chanceler disse que o governo só vai “aceitar” o trabalho dos grupos de contato se eles trabalharem para o não reconhecimento da legitimidade de Maduro como presidente venezuelano. “Desviar atenção do foco central e dar espaço para o regime respirar e conseguir mais um mês... ganhar tempo para nós não seria aceitável”, disse.

Fonte

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati