Chanceler brasileiro visita África para dinamizar cooperação no Atlântico Sul

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ernesto Araújo em 1 de janeiro de 2019.
Foto: Senado do Brasil.

Objetivo é incentivar o comércio e os produtos de defesa

Agência Brasil

7 de dezembro de 2019

O chanceler Ernesto Araújo viaja neste domingo (8) para quatro países da África Ocidental, onde discutirá com autoridades locais a implementação de acordos nas áreas de segurança, defesa, comércio e investimentos. O chanceler visitará Cabo Verde, Senegal, Nigéria e Angola e deverá retornar ao Brasil em 13 de dezembro.

Segundo o secretário de Negociações Bilaterais do Itamaraty paras as áreas do Oriente Médio, Europa e África, embaixador Kenneth Félix Haczynski da Nóbrega, o chanceler pretende "reativar" a cooperação brasileira na área de defesa e segurança com países do Hemisfério Sul.

“O Brasil, nos últimos governos, relegou esse vetor da diplomacia brasileira, que é a segurança do Atlântico Sul. A ideia é reativar essa cooperação”, afirmou.

Golfo da Guiné

De acordo com o embaixador Kenneth da Nóbrega, o ministro Ernesto Araújo deverá anunciar, durante a visita aos países africanos, que o Brasil “deseja ser membro pleno do chamado Grupo de Países Mais Amigos do Golfo da Guiné”. O objetivo é contribuir para aumentar a segurança da área marítima dos países que integram a região.

O Golfo da Guiné abrange nove países (Costa do Marfim, Gana, Togo, Benim, Nigéria, Camarões, Guiné Equatorial, Gabão, São Tomé e Príncipe). A área marítima próxima a esses países, onde circulam mais de 95% dos navios que transportam os produtos de exportação brasileiros, está sujeita a constantes ataques de piratas e gangs que realizam assaltos a cargas de embarcações.

Conforme o embaixador Kenneth da Nóbrega, a Marinha considera os riscos embutidos na navegação do Golfo da Guiné uma das “maiores ameaças ao entorno estratégico brasileiro”. De acordo com o diplomata, outra razão para a crescente preocupação das autoridades brasileiras em relação à região é o avanço constante do jihadismo, chegando quase às costas da África ocidental. Jihadismo é uma expressão comumente usada para definir setores religiosos radicais que optam por realizar ataques a instituições, navios, trens e aviões.

Investimento e comércio

Segundo Kenneth da Nóbrega, outro viés da visita do ministro Ernesto Araújo à África Ocidental é promover o comércio entre o Brasil e Cabo Verde, Senegal, Nigéria e Angola. Durante sua permanência na Nigéria e em Angola, o ministro participará de atividades de duas missões comerciais brasileiras que estarão nesses países.

Comércio exterior

Durante os 11 primeiros meses de 2019, o Brasil exportou US$ 408 milhões para Angola e importou US$ 140 milhões, tendo superávit de US$ 267 milhões com esse país. Com Cabo Verde, as exportações brasileiras atingiram cerca de US$ 23 milhões e as importações ficaram inexpressivas. O superávit foi de US$ 22,7 milhões. Para a Nigéria, as exportações brasileiras chegaram a US$ 530 milhões, enquanto as importações atingiram US$ 907 milhões, o que resultou em déficit comercial de US$ 376 milhões. As exportações para o Senegal chegaram a US$ 121 milhões. O saldo foi de US$ 116 mihões.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati