Cepal prevê crescimento econômico médio de 2,2% para América Latina e Caribe em 2018

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

14 de dezembro de 2017

Relatório elaborado pela Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (Cepal) mostra que as economias dos países latino-americanos e caribenhos devem ter crescimento médio 2,2%, em 2018, estimuladas, principalmente, pelo crescimento do consumo e investimento doméstico e um cenário internacional mais favorável. De acordo com o levantamento, no ano que vem o Brasil deve ter crescimento econômico de 2%, frente a expansão de 0,9%, de 2017.

Segundo o Balanço Preliminar das Economias da América Latina e do Caribe 2017, divulgado hoje (14), exceto para a Venezuela, 2018 será um ano de “moderada recuperação” econômica para as economias do continente, que este ano devem registrar expansão de 1,3%.

O Panamá, de acordo com a Cepal, será a economia com a maior taxa de expansão em 2018, com 5,5%, seguida da República Dominicana (5,1%), e da Nicarágua (5,0%). O Chile, que teve crescimento econômico de 1,5% em 2017, deve atingir 2,8% em 2018. Já a Colômbia passará de 1,8% para 2,6%, e o Peru, de 2,5% para 3,5%. Cuba e Equador terão taxa de crescimento de aproximadamente 1%, 1,3%, respectivamente, enquanto a Venezuela deverá encolher 5,5%.

Para Cepal, a demanda interna desempenhará um papel importante na aceleração do crescimento em 2018. O consumo privado continuará sendo um “motor da demanda interna”. Ainda segundo o relatório, em 2018 a expectativa é de que a economia global se expanda a taxas próximas às de 2017, em torno de 3%, e que haja um maior dinamismo relativo das economias emergentes frente às desenvolvidas.

Em relação ao Brasil, a Cepal afirma que a economia do país demonstrou este ano “capacidade de responder a estímulos de crescimento”, embora pondere que o consumo interno tenha sido estimulado pela liberação dos recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). Para a Cepal, a queda da taxa de juros deve permitir maior expansão do crédito e um aumento de investimentos fixos.

“Se no cenário externo, os preços dos produtos básicos continuam a ser favoráveis e não há movimentos de fluxos de capital especulativo devido a tensões políticas, pode-se esperar uma maior taxa de crescimento econômico em 2018”, diz trecho do relatório.

Fonte

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati