Centenas de trabalhadores sem salários em Benguela

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência VOA

Sindicato adverte para "Natal terrível" para milhares de pessoas em extrema pobreza.

2 de dezembro de 2014

Mais de 400 trabalhadores dos sectores público e privado e as suas famílias fazem face a um Natal e fim de ano “terrível” em Benguela pois estão há 11 meses sem salários, disse o Sindicato da Saúde, Administração Pública e Serviços.

Estes chefes de famílias, alguns afectos à administração pública, são responsáveis pela sobrevivência de 4.970 pessoas.

Na hora da apresentação dos números, o secretário para os assuntos jurídicos do sindicato Custódio Cupessala prometeu forçar um encontro com o governador de Benguela, a quem deverá mostrar o que chama de reflexos da extrema pobreza em que se encontram esses trabalhadores.

Os trabalhadores eventuais das Administrações do Lobito, Benguela, Catumbela, Caimbambo, Cubal e Ganda são os que mais sofrem com violações sistemáticas dos seus direitos. Estão sem dinheiro há três, quatro, cinco e até 11 meses.

Há dois anos, o ex-governador, general Armando da Cruz Neto, havia garantido dotações financeiras para estes funcionários, também detentores de contratos, mas a verdade é que prevalecem os incumprimentos. Daí que Custódio Cupessala chega a implorar o pagamento parcial da dívida antes da quadra natalícia.

Quanto aos trabalhadores do sector privado, em número de 350, a maior parte afecta a operadoras de recolha de lixo, o secretário para os assuntos jurídicos do Sindicato da Saúde, Administração Pública e Serviços diz que os tabalhadores continuam também também á espera dos seus pagamentos.

Cupessala afirma que o sindicato tem estado a tentar travar manifestações de ruas pelos trabalhadores afectados, mas faz notar que no desespero alguns deles podem querer “fazer justiça pelas suas próprias mãos”.

Em declarações prestadas a um jornal da capital, o director do Gabinete de Estudos e Plano informou que a dívida referente ao quinquénio 2008/2012, com a qual as autoridades locais são confrontadas neste momento, é de 160 milhões de dólares americanos.

Entretanto, Valódia Sardinha não pôde avançar datas para o início dos pagamentos, uma vez que o expediente está a ser tratado por Luanda.

Fonte

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via Google+ Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati