Centenas de médicos venezuelanos protestam contra vinda de médicos cubanos

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

17 de julho de 2005

Na sexta-feira (15), centenas de médicos venezuelanos marcharam pelas ruas de Caracas para protestar contra a vinda de médicos cubanos para a Venezuela.

O Presidente da Venezuela, Hugo Chávez, assinou acordo com o governo cubano através do qual Cuba deve enviar médicos, enfermeiras e dentistas para trabalharem na Venezuela. De acordo com o Presidente de Cuba, Fidel Castro, até o fim ano haverá 30 mil trabalhadores cubanos da área da saúde na Venezuela.

Os manifestantes venezuelanos dizem que os médicos cubanos são mal preparados, e que recebem remédios e equipamentos sofisticados do governo venezuelano, enquanto que os médicos venezuelanos muitas vezes têm que trabalhar em hospitais públicos, nos quais faltam materiais básicos. Eles também dizem que os profissionais da área da saúde da Venezuela são mal remunerados e que há muitos médicos venezuelanos desempregados.

Alguns dos manifestantes carregavam cartazes contra o comunismo e a "cubanização" do país. Na visão dos manifestantes, a vinda dos médicos cubanos visa em primeiro lugar objetivos políticos, ao invés da melhoria da saúde da população.

O Presidente Hugo Chávez disse que convidou os médicos cubanos para trabalharem na Venezuela, a fim de oferecer um melhor serviço de saúde à população mais pobre. Segundo Chávez, os médicos cubanos aceitam trabalhar em áreas que não costumam ser escolhidas por médicos venezuelanos, como regiões muito pobres e com alto índice de criminalidade.

Fontes