Cariocas comemoram vitória do Brasil e se dizem mais confiantes

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

27 de junho de 2018

A multidão que lotou praças, ruas e bares por todo o Rio de Janeiro na vitória do Brasil contra a Sérvia vibrou muito com os dois gols que colocaram a seleção nas oitavas de final da Copa do Mundo 2018. Depois de um início de primeiro tempo nervoso, em que o adversário tocou bem a bola e os brasileiros pareciam, por vezes, perdidos em campo, a torcida soltou o grito de gol aos 35 de jogo, com o chute de Paulinho.

O resultado parcial, no entanto, apesar da vantagem do empate, ainda era desconfortável, pois qualquer gol da Sérvia poderia levar a partida a um resultado imprevisível. A torcida sentia isso e demonstrava nervosismo a cada jogada brasileira perdida ou nos ataques da Sérvia. O alívio só veio aos 22 do segundo tempo, com a cabeçada certeira de Thiago Silva, o que transformou o resto do jogo em uma grande comemoração.

“O Brasil está crescendo e a cada jogo vem melhorando. Vamos entrar nos trilhos e arrebentar. O México é um grande adversário, mas sou mais o Brasil”, comemorou Ricardo Ferreira, um dos fundadores da festa do Alzirão, tradicional ponto de encontro de torcedores cariocas durante as copas. O local, na confluência das ruas Alzira Brandão e Conde de Bonfim, reuniu milhares de pessoas, com telão, som de qualidade e rua decorada, na Tijuca.

O espaço atrai especialmente torcedores da zona norte e das dezenas de favelas que formam a Grande Tijuca, o que garante a democracia da festa, que completou 40 anos nesta copa. Alguns vêm fantasiados, outros estão presentes há muitos campeonatos mundiais.

“É claro que este ano o Brasil vai ser campeão”, vibrava a aposentada Maria de Lourdes Pereira da Silva, mais conhecida como Vovó do Alzirão. Vestida de verde e amarelo da cabeça aos pés, ela trazia no colo o galinho Tite, para dar sorte. “Ele é pé quente. Veio em todos os jogos do Brasil”, disse ela, que garantiu que a ave não vai para a panela no final da copa: “Jamais. Até porque eu não como frango”.

Outro torcedor que chamava atenção era o médico Vladimir de Souza, vestido de Chacrinha, o Velho Guerreiro, e carregando uma taça da Fifa de um metro e meio. “A copa do mundo já é nossa. O Brasil está indo bem. Melhoramos muito, principalmente no segundo tempo. Vamos ser campeões”, comemorou Vladimir.

Enquanto uns podiam ver o jogo no telão gigante, outros tinham que se contentar em apenas ouvir a narração, como o segurança Thales Rodrigo Carvalho, que fazia um bico na festa, controlando o acesso à área reservada para repórteres e convidados. “Dá mais nervosismo ficar só escutando. O jogo com o México vai ser difícil, mas tenho certeza que seremos campeões”, disse o segurança, que se contentava em espiar, de vez em quando, no reflexo do vidro da cabine de imprensa, o telão que transmitia a partida.

Após a vitória brasileira, os presentes puderam extravasar a tensão ao som de muito samba. A primeira música a ser tocada foi Explode Coração, nome popular do samba-enredo Peguei um Ita no Norte, quando o Salgueiro foi campeão em 1993. O próximo desafio para os nervos da torcida será dia 2 de julho, às 11h, quando brasileiros e mexicanos decidirão quem passa para a próxima fase.

Fonte

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati