Caixa Cultural no Rio inaugura exposição com fotos inéditas de Pierre Verger

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

20 de janeiro de 2018

O antropólogo e fotógrafo Pierre Verger (1902-1996), francês naturalizado brasileiro, viveu em Salvador nos últimos 50 anos de vida. Antes disso, porém, ele rodou o mundo, com uma câmera na mão, registrando com seu olhar antropológico temas pouco comuns.

Uma parte desse ponto de vista característico de Verger está na mostra Dorminhocos, que a Caixa Cultural Rio inaugura na tarde de hoje (20). São 145 imagens, quase todas inéditas, produzidas entre as décadas de 1930 e 1950, em vários países, como Argentina, Peru, Congo, China, Polinésia Francesa, Guatemala e México, que retratam o modo como as pessoas descansavam em lugares públicos. No Brasil, Verger fotografou os dorminhocos na Bahia, em Pernambuco e no Maranhão.

As fotos reunidas na exposição fazem parte do acervo da Fundação Pierre Verger, em Salvador. Geralmente banhados pela luz solar, são imagens de trabalhadores anônimos e fatigados pela recente rotina modernizadora estabelecida pelos processos de expansão industrial e urbana, segundo os organizadores.

“Verger deu o título em francês para algumas fotos de dormeur que em português seria dorminhoco. Resolvemos chamar a exposição com o próprio nome que o Verger batizou as fotos”, disse o curador Raphael Fonseca. “É interessante perceber que há um lugar para o ócio, para o tempo morto, que a gente perdeu de certa maneira.”

Para os organizadores, Dorminhocos é uma oportunidade para o público conhecer outro aspecto da obra de Verger, conhecido por suas pesquisas sobre as religiões afro-brasileiras.

Fonte

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati