Cadeira permanente para o Brasil em conselho da ONU depende de reforma

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

29 de julho de 2009

Brasil


O Brasil deve voltar a assumir uma das dez cadeiras rotativas do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU), em 2010, representando o continente americano, segundo o Itamaraty. Um assento definitivo, porém, para o Brasil ou para outro país em desenvolvimento só será possível com a reforma do conselho.

“Sabemos que o Brasil se movimenta diplomaticamente com esse objetivo [a cadeira permanente]”, afirmou à Agência Brasil o subsecretário-geral de Comunicação e Informação da ONU, Kiyo Akasaka. Contudo, para garantir a vaga, o conselho precisa passar por mudanças que dependem dos países membros da ONU, explicou.

O Conselho de Segurança tem 15 membros. Do total, cinco são permanentes (China, Estados Unidos, França, Reino Unido e Federação Russa), com direito a vetar decisões, e outros dez rotativos, representantes de grupos regionais, com mandato de dois anos.

Para escolher os novos membros, a Assembleia Geral da ONU deve se reunir em setembro, em Nova Iorque (EUA). Até o momento, nenhum outro país da América anunciou a intenção de concorrer a uma das vaga do continente, que será renovada no próximo ano.

Além da entrada do Brasil no Conselho de Segurança como membro permanente, o subsecretário-geral também avaliou que a participação de países em desenvolvimento ampliaria a representatividade do órgão e ajudaria a resolver questões do século XXI.

“Estamos cientes de que a reforma do conselho é uma questão urgente para dar mais eficiência e maior legitimidade ao órgão”, destacou. “A composição atual reflete o contexto político do fim da 2º Guerra Mundial”.

Para Akasaka, a eleição de Barack Obama para a presidência nos Estados Unidos pode contribuir com mudanças positivas nesse sentido. Ele disse que a ONU está atenta à movimentação do presidente, que retomou a ajuda financeira aos programas de saúde reprodutiva da agência e se engajou na questão ambiental.

Akasaka também falou sobre as reformas administrativas na ONU, com o objetivo de ampliar a transparência do órgão. Destacou mudanças em vários departamentos, além da elaboração de um código de ética e do sistema de contratação de funcionários, por exemplo.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati