COVID-19: Nelson Teich realiza primeira coletiva de imprensa após assumir Saúde

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

27 de abril de 2020

Nelson Teich no dia da posse como ministro da Saúde

O ministro da Saúde Nelson Teich liderou hoje à tarde sua primeira coletiva de imprensa como chefe da pasta. Ele assumiu o Ministério da Saúde no dia 17 de abril, após a demissão de Luis Henrique Mandetta pelo presidente Jair Bolsonaro, e as coletivas diárias tinham sido interrompidas desde então, o que vinha gerando diversas críticas de internautas no Facebook oficial da pasta, que pediam informações mais detalhadas sobre as ações relativas à pandemia de COVID-19 no Brasil .

Durante a coletiva, divulgada uma hora antes dos novos dados sobre os casos de Covid-19 no país, Teich falou que o foco atual do Ministério da Saúde é "garantir a infraestrutura necessária para que as pessoas sejam cuidadas e tratadas". "Salvar o maior número de vidas é a prioridade absoluta", disse. Ele também esclareceu que precisou de cerca de uma semana para estruturar tudo, mas que já nos próximos dias terá reuniões com os governadores a respeito da pandemia.

Teich também respondeu algumas perguntas feitas por jornalistas. Sobre possíveis tratamentos para a doença, ele disse que há mais de 400 sendo feitos no mundo e cerca de 30, no Brasil. Sobre o fim das medidas de distanciamento e isolamento, ele disse que "não vai existir qualquer medida intempestiva em relação a isso", mas que medidas diferentes poderão ser tomadas nas diferentes regiões do país. "Não vai haver nenhuma ação que não tenha sido pensada", afirmou. Sobre os números divulgados todos os dias, ele disse que a partir de agora haverá uma explicação sobre eles e sobre as próximas ações a serem adotadas pelo MS.

Com relação aos dados atualizados hoje pelo MS, a pasta informou que há 4.543 óbitos, 66.501 casos confirmados e 31.142 pessoas curadas.

Para assistir o vídeo da coletiva, acesse: Governo Federal atualiza as ações de enfrentamento no combate ao coronavírus no Brasil.

Fontes

Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Reddit.com