COVID-19: óbitos continuam e Brasil assume 4º lugar no ranking das fatalidades

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

30 de maio de 2020

Imagem meramente ilustrativa

Um dia depois de assumir o 5º lugar no ranking de mortes do “Mapa do Coronavírus” da JHU, deixando para trás a Espanha, então com 27.121 óbitos, o Brasil ultrapassou hoje também a França, que contabiliza 28.774 mortes durante a pandemia de COVID-19, e assumiu o 4º lugar na lista.

Com 28.834 casos fatais, os prognósticos não são bons para o país da América, pois com uma média de 1.056 mortes nos últimos dois dias (29 e 30), o Brasil deve ocupar nos próximos dias também o lugar da Itália, atualmente em 3º.

Por que o Brasil não consegue conter a mortalidade?

Se países como a Itália e Espanha trabalharam arduamente para conter novas infecções obrigando as pessoas a praticarem o isolamento social, no Brasil as medidas de isolamento e distanciamento não só foram implantadas de modo pouco coeso, como não tiveram a adesão esperada.

Segundo a Inloco, empresa de tecnologia que fornece inteligência a partir de dados de localização, a taxa de isolamento durante o mês de maio no Brasil foi de 49,7% no dia 1º, 42,5% no dia 15 e 42,6% hoje, dia 30. Em comparação, na Espanha, por exemplo, durante as semanas de mais casos de infecção e mortes este isolamento chegou a uma taxa de 80%.

A média mínima ideal é uma taxa de isolamento de 70%.

O índice de isolamento social em alguns estados

O Mapa Brasileiro da COVID-19 da Inloco hoje, dia 30, indica que:

  • O Amapá é o que tem a maior índice de isolamento: 50,47%;
  • No Pará, estado mais atingido na Região Norte, a média do isolamento é de 45,22%;
  • São Paulo, o estado mais atingido pela COVID no Brasil, tem uma taxa de isolamento de apenas 42,68%;
  • Goiás apresenta o menor nível de isolamento no Brasil: 37,93%.

Notícia Relacionada

Fontes

Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Reddit.com