Cúpula entre países árabes e sulamericanos ocorre no Brasil

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Primeiro dia

11 de maio de 2005

Brasil

O presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva inaugurou nesta terça-feira, 10 de maio, a Primeira Cúpula América do Sul - Países Árabes no Centro de Convenções de Brasília. O encontro, organizado pelo Brasil, tem como objetivo declarado fomentar o intercâmbio cultural e comercial entre ambas regiões. Participam chefes de estado e representantes de 11 países sulamericanos e 22 árabes, bem como 250 empresários árabes e 350 sulamericanos. A única mulher é a ministra de Relações Exteriores do Suriname, María Levens.

Este evento faz parte da política brasileira de um eixo Sul-Sul que faça contrapeso aos países do chamado Primeiro mundo. A sede principal da cúpula é o Hotel Blue Tree Alvorada.

Inauguração

Durante sua intervenção, Lula afirmou que a cúpula "tem sabor de reencontro com uma civilização que chegou primeiro à América Latina através da herança ibérica". Recordemos que o sul da Península Ibérica foi dominado pelos árabes durante vários séculos. Além disso, na América do Sul existem milhões de imigrantes de origem árabe. Só no Brasil vivem 10 milhões de libaneses ou descendentes de libaneses. Por sua vez, o presidente de Argélia Abdelaziz Bouteflika, co-anfitrião do evento, convidou os participantes a encarar o "futuro comum da prosperidade que se abre em Brasília". Para ele, os países reunidos na cúpula respeitam o direito internacional e "querem um mundo multipolar, um sistema mais justo, com desenvolvimento e prosperidade para todos e melhor repartidos".

O presidente peruano Alejandro Toledo, como representante da Comunidade Sulamericana de Nações (CSN), lembrou que a região atravessa na atualidade "um caminho de alta integração política" e valorizou a importância da presença dos empresários de ambas regiões. Mais adiante, destacou que, apesar das diferenças, a América do Sul encontrou consensos para unir-se e adquirir uma maior presença a nível internacional: "É nosso desejo ter uma voz presente no mundo". Rádio Caracol

Acordo comercial com os países árabes

Àa 11h15, no horário local (14:15 UTC), representantes dos países sulamericanos (Uruguai, Paraguai, Argentina e Brasil) e do Conselho de Cooperação do Golfo (Omã, Arábia Saudita, Bahrein, Qatar, Emirados Árabes Unidos e Kuwait) assinaram um acordo de cooperação econômica, primeiro passo de um futuro tratado tarifário-aduaneiro. Radiobras

A família do engenheiro brasileiro seqüestrado no Iraque

A família do engenheiro brasileiro João José Vasconcelos Júnior entregou uma carta aos delegados dos 12 países árabes, na qual pede "notícias concretas e reais" a respeito do paradeiro do brasilerio seqüestrado no Iraque no começo do presente ano.

Banco árabe-sulamericano

Jalal Talabani, presidente do Iraque, propôs a criação de um banco árabe-sulamericano que coordene projetos e programas de melhoramento do intercâmbio comercial entre ambas regiões. Talabani sugeriu também a criação de uma comissão para analisar projetos relacionados.

Talabani destacou o papel do presidente de Palestina, Mahmoud Abbas, por seu trabalho no atual momento político que atravessa seu país: "A solução do problema palestino abre as portas para a construção de um novo Oriente Médio, livre de armas, de agressão de violência. Um Oriente Médio cujos povos desfrutem de liberdade, democracia, uma vida próspera e moderna". Radiobras

Protestos contra a discriminação da mulher nos países árabes

Um grupo de mulheres brasileiras se vestiu com a hijab, uma roupa típica árabe parecida com a burka, em sinal de protesto pela discriminação a que é submetida a mulher nos países árabes.

O fato ocorreu em frente do Centro de Convenções de Brasília. Com cartazes com lemas como "Diga não à opressão das mulheres árabes", o grupo queimou cinco hijabs. "Nossa manifestação foi simbólica. Queríamos chamar a atenção dos participantes da Cúpula para as condições em que vivem as mulheres árabes", afirmou Ariadne Jacques, coordenadora do Movimento de Solidariedade com as mulheres dos países árabes.

Na quarta-feira, no Hotel Blue Tree Park de Brasília, está prevista a entrega de um manifesto em solidariedade às mulheres árabes ao presidente Lula, ao ministro de Relações Exteriores brasileiro, Celso Amorim, e aos chefes de Estado que participam da cúpula. Radiobras

Criação da Petrosul

Argentina, Venezuela e Brasil assinaram um acordo de cooperação energética conhecido como Petrosul, que prevê uma associação entre as estatais petroleiras dos três países (Enesa, PDVSA e Petrobrás, respectivamente) nos projetos de prospecção, refinamento e transporte e construção de navios.

Hugo Chávez critica os EUA

Hugo Chávez defendeu a união de árabes e sul-americanos contra o que chamou de modelo "imperialista" vigente no cenário internacional. "Não vamos aqui solucionar o problema do mundo, mas formar uma massa crítica para a construção de uma aliança futura", disse ele.

"Há um potencial incalculável para estreitarmos as relações. Está nascendo uma nova geopolítica internacional. Precisamos dar água, impulsioná-la", acrescentou.

"No documento final, não há uma referência direta aos Estados Unidos. Mas quando falamos em formar um mundo pluripolar estamos em choque com a pretensão norte-americana de formar um mundo unipolar", completou Chávez. Radiobras

O Presidente Hugo Chávez disse que os EUA ameaçam a Venezuela: "A Venezuela está sendo ameaçada pelo imperialismo norte-americano. Temos que tratar disso aqui. Enfrentamos a agressão do império mais poderoso do planeta."

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez também disse em entrevista que dispensa a intermediação brasileira para resolver questões com os EUA: "Não há necessidade de o Brasil intermediar a nossa relação com os Estados Unidos. O mais importante que o Brasil pode fazer é trabalhar pela cooperação Sul-Sul." Radiobras

Ocupação israelense

Pediu-se durante a Cúpula em várias ocasiões a retirada de Israel dos terrítórios ocupados. O ministro das Relações Exteriores do Kuaite, Xeque Mohammed Al-Sabah disse: "Como podemos tratar aqui de comércio com um país árabe ocupado? A questão da Palestina precisa ser resolvida e isso deve estar no centro das discussões". Radiobras

No dia anterior, o presidente da Argélia, Abdelaziz Bouteflika, representante da Liga Árabe, também havia pedido que Israel retirasse suas tropas dos territórios ocupados na Palestina. "É uma negação de justiça que não podemos aceitar". Radiobras

O secretário-geral da Liga Árabe, Amre Moussa, disse que ignorar o pedido do povo palestino pode levar aos "caos internacional". Radiobras

Outros temas

  • Para Tabaré Vásquez, presidente do Uruguai, o diálogo político deve ser mais concreto: "O diálogo político não pode depender de si mesmo, deve se refletir em iniciativas concretas que possam trazer benefícios aos nossos países e à comunidade internacional." Radiobras
  • O vice-presidente da Colômbia, Francisco Santos, afirmou que as distorções no comércio internacional devem ser eliminadas para diminuir a distância entre países desenvolvidos e subdesenvolvidos. Sugeriu uma área de livre comércio entre ambos blocos. "Talvez com isso possamos evoluir para um patamar de investimentos desejado e um intercâmbio comercial maior", disse ele. Segundo o vice-presidente, o comércio é um meio de desenvolver economicamente os países e reduzir a pobreza. Radiobras
  • O primeiro-ministro da Síria, Mohammad Naji Al Otri, disse que combater o terrorismo "é um dos maiores desafios do mundo". Ele criticou o tratamento "unilateral" dado ao problema e afirmou que o terrorismo só poderá ser combatido em todas as suas formas quando "enfrentarmos os problemas relacionados à pobreza, à desigualdade social e ao analfabetismo". Radiobras

Segundo dia

12 de maio de 2005

Brasil

No segundo e último dia de realização da Cúpula América do Sul-Países Árabes, o destaque ficou para a Declaração de Brasília, que reúne a opinião oficial dos participantes do evento.

Palavras do Presidente Lula

No encerramento da Cúpula o presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva lembrou que ela é o primeiro passo para a criação de uma política de Estado que aproxima os dois blocos de países: "O que nós estamos querendo construir com esta cúpula é uma coisa muito sólida, que vai além do tratado, mas da compreensão dos estados árabes e dos estados da América do Sul de que nós vivemos um novo tempo".

O presidente também disse: "Eu nasci na política brasileira defendendo o Estado Palestino, mas também nunca neguei a necessidade do Estado de Israel. Penso que o ser humano é muito inteligente para aprender que a paz é a única coisa que pode permitir a construção de um mundo harmonioso, democrático e socialmente justo".

Em relação ao Iraque, Lula disse que foi contra a ocupação americana.

OMC

Os países participantes concordaram em apoiar o candidato uruguaio Carlos Pérez Del Castillho à direção da Organização Mundial do Comércio (OMC), "como forma de democratizar e ampliar sua participação na condução dos principais organismos do sistema multilateral". Radiobras

Acordo com o Sudão

Os ministros das Relações Exteriores do Brasil e do Sudão assinaram acordo de cooperação técnica e abre caminho para negociações sobre as áreas em que haverá parcerias. "Ele é geral, mas a nossa expectativa é fazer em breve parcerias em setores como o açucareiro, o têxtil, a agricultura e a indústria alimentícia. Temos muito interesse nos produtos agrícolas cultivados na América do Sul. Por outro lado, podemos vender óleo e ouro. São várias as possibilidades de complementação", disse o ministro das Relações Exteriores do Sudão, Mustafa Osman Ismail. Radiobras

A Declaração de Brasília

A A Declaração de Brasília condena o terrorismo, porém afirma o direito de resistência contra a ocupação estrangeira; defende a não proliferação de armas nucleares, e condena as sanções dos EUA contra a Síria, entre outras questões.

Os sul-americanos e árabes também criticaram a inclusão das Ilhas Malvinas no mapa da União Européia. "A inclusão das Ilhas Malvinas, Geórgias do Sul e Sandwich do Sul como territórios associados à Europa no Anexo II, relativo ao Título IV "Associação dos Países e Territórios Ultramarinos", da Parte III do Tratado Constitucional da União Européia, é incompatível com a existência de uma disputa de soberania sobre as referidas ilhas."

Lula disse que a declaração é democrática porque procura atender a todos os governos participantes da Cúpula: "Essa é condição elementar para que você possa contruir um documento que envolve 30 e poucos países com culturas totalmente diversificadas, com hábitos políticos diversificados".

O presidente brasileiro também disse: "Sempre que nós tivermos dúvida sobre o comportamento de um grupo político e de um país com desrespeito à democracia, com práticas terroristas, temos que considerá-las coletivamente, e não individualmente".

Alguns países árabes são criticados por governos de outros países, principalmente os EUA, pelo fato de seus regimes não serem suficientemente democráticos. Os EUA acusam alguns países árabes de colaborar com terroristas.

Páginas externas

Fontes