Cúpula da OTAN: crescentes apelos para uma resposta militar mais dura à Rússia

Fonte: Wikinotícias

23 de março de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Líderes da Otan se reúnem na quinta-feira em Bruxelas para uma cúpula extraordinária sobre a invasão da Ucrânia pela Rússia, em meio a crescentes pedidos para que o Ocidente tome uma ação militar mais forte para apoiar as forças de Kiev.

O número de civis da invasão da Rússia cresce a cada dia. Se a matança continuar, o Ocidente terá a obrigação moral de se envolver, diz Fabrice Pothier, ex-chefe de planejamento de políticas da Otan e agora membro sênior do Instituto Internacional de Estudos Estratégicos.

“Poderíamos evitar esses massacres e essas possíveis mortes se a OTAN estivesse disposta a assumir um risco um pouco maior”, disse Pothier.

“A questão é até que ponto é moralmente correto que a OTAN esteja à margem quando um grande país europeu está sendo invadido e ocupado pela Rússia. Sejamos muito mais criativos em pressionar a máquina de guerra de Putin, mesmo que não tenhamos de colocar as botas da OTAN no terreno”, disse Pothier.

Pothier diz que a Otan poderia começar bloqueando efetivamente a Rússia e cortando suas ligações comerciais internacionais. “Acho que deveríamos controlar mais acesso aos mares Báltico e Negro. Especialmente o Báltico, é fundamental para o comércio russo. Setenta por cento do comércio russo passa pelo Báltico. Obviamente, eles não deixarão isso acontecer facilmente, mas acho que estamos orientados, temos os planos, temos as capacidades para fazê-lo.”

Pothier acrescentou que a OTAN deveria jogar o jogo da Rússia. “Podemos fazer muito mais em termos basicamente de operações cibernéticas, então a guerra do tipo híbrido, à qual (o presidente russo Vladimir) Putin está associado há alguns anos, mas onde na verdade também temos ativos, a fim de interromper a máquina de guerra de Putin”, disse ele.

O presidente dos EUA, Joe Biden, anunciou na semana passada um adicional de US$ 800 milhões em assistência de segurança para a Ucrânia, incluindo sistemas antiaéreos Stinger e drones armados.

Kurt Volker, ex-embaixador de Washington na OTAN e representante especial dos EUA para as negociações da Ucrânia até 2019, disse que a Ucrânia precisa de uma gama mais ampla de armas.

“Mais sistemas de defesa aérea, incluindo aqueles que operam em altitudes mais altas. Mais sistemas de terra para navio para derrubar alguns dos navios da marinha russa no Mar Negro. Acredito que os MiG 29 e outros aviões de combate deveriam ser fornecidos, mas nós ainda não chegamos lá. Eu entendo os argumentos contra a zona de exclusão aérea, mas acho que não devemos tirá-la da mesa”, disse Volker.

Ele acrescentou que o fornecimento de equipamento militar para a Ucrânia precisa de uma melhor coordenação. "A OTAN poderia fornecer uma função de câmara de compensação e poderia fornecer uma garantia de entrega, criando um local seguro para isso na Polônia e garantindo que chegue com sucesso à Ucrânia".

Moscou novamente ameaçou usar armas nucleares na terça-feira “se sua existência for ameaçada.”

Os líderes da Otan devem usar a cúpula de quinta-feira para deixar clara sua resposta, diz Pothier.

“É uma aliança nuclear que não tem intenção de usar armas nucleares nesse conflito – e que o uso de armas nucleares nesse conflito mudará fundamentalmente a natureza do conflito com consequências devastadoras para todas as partes”, disse Pothier.

Volker concorda que a aliança deve emitir suas próprias linhas vermelhas, “(que) qualquer uso de armas químicas, biológicas ou nucleares pela Rússia na Ucrânia seria recebido com uma resposta militar.”

Os líderes ocidentais temem que qualquer escalada possa levar a um confronto direto entre as forças da Otan e da Rússia e um conflito entre as potências com armas nucleares. Mas alguns argumentam que a Otan deve assumir mais riscos agora – ou enfrentar uma ameaça muito maior se a Rússia conseguir capturar a Ucrânia.

Fontes