Cúpula Ibero-Americana quer volta de Zelaya para retomada da normalidade em Honduras

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Bandeira de Honduras
Outras notícias sobre Honduras


Agência Brasil

1 de dezembro de 2009

Em comunicado divulgado sobre a situação política em Honduras, a presidência da Cúpula Ibero-Americana pede a restituição do presidente deposto Manuel Zelaya ao poder para completar seu período constitucional.

No documento, que não foi incluído na declaração final da Cúpula de Estoril, a presidência considera a volta de Zelaya “um passo fundamental para o retorno da normalidade constitucional” em Honduras.

Em nome dos Chefes de Estado da Espanha, de Portugal e dos países da América Latina, o documento condena o golpe de Estado que afastou Zelaya em 28 de junho e considera “inaceitáveis as graves violações aos direitos e liberdades fundamentais do povo hondurenho”.

Como os líderes dos países ibero-americanos não chegaram a um consenso sobre a legitimidade das eleições em Honduras, a saída encontrada para que a Cúpula de Estoril não terminasse sem mencionar a crise política naquele país foi divulgar um comunicado especial da presidência.

Submetido aos líderes, o documento não foi contestado, mas não se trata de uma posição oficial da Cúpula Ibero-americana.

O documento pede o fim das hostilidades à embaixada brasileira em Tegucigalpa, onde Zelaya está abrigado desde setembro, quando voltou clandestinamente a Honduras, a garantia de sua inviolabilidade e da liberdade de movimento dos funcionários e do corpo diplomático brasileiro.

“Os chefes de Estado e de governo dos países ibero-americanos continuarão contribuindo ativamente na busca de uma solução que permita a abertura de um diálogo nacional em Honduras e na devolução do regime democrático ao povo hondurenho”, diz a nota.

O comunicado encerra com a declaração de firme compromisso em defesa dos princípios democráticos de todos os países ibero-americanos de modo a prevenir qualquer movimento de desestabilização dos governos legitimamente eleitos.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati